• AALR3 R$ 20,10 -0.35
  • AAPL34 R$ 68,18 1.22
  • ABCB4 R$ 16,67 0.91
  • ABEV3 R$ 14,14 0.71
  • AERI3 R$ 3,66 2.52
  • AESB3 R$ 10,80 -0.37
  • AGRO3 R$ 31,42 0.77
  • ALPA4 R$ 21,92 2.96
  • ALSO3 R$ 18,79 -1.11
  • ALUP11 R$ 26,90 -0.63
  • AMAR3 R$ 2,65 4.33
  • AMBP3 R$ 32,42 4.28
  • AMER3 R$ 22,10 0.96
  • AMZO34 R$ 3,40 4.17
  • ANIM3 R$ 5,60 2.38
  • ARZZ3 R$ 81,65 2.76
  • ASAI3 R$ 15,89 1.08
  • AZUL4 R$ 20,96 4.43
  • B3SA3 R$ 12,18 2.27
  • BBAS3 R$ 37,76 0.51
  • AALR3 R$ 20,10 -0.35
  • AAPL34 R$ 68,18 1.22
  • ABCB4 R$ 16,67 0.91
  • ABEV3 R$ 14,14 0.71
  • AERI3 R$ 3,66 2.52
  • AESB3 R$ 10,80 -0.37
  • AGRO3 R$ 31,42 0.77
  • ALPA4 R$ 21,92 2.96
  • ALSO3 R$ 18,79 -1.11
  • ALUP11 R$ 26,90 -0.63
  • AMAR3 R$ 2,65 4.33
  • AMBP3 R$ 32,42 4.28
  • AMER3 R$ 22,10 0.96
  • AMZO34 R$ 3,40 4.17
  • ANIM3 R$ 5,60 2.38
  • ARZZ3 R$ 81,65 2.76
  • ASAI3 R$ 15,89 1.08
  • AZUL4 R$ 20,96 4.43
  • B3SA3 R$ 12,18 2.27
  • BBAS3 R$ 37,76 0.51
Abra sua conta no BTG

Protestos questionam possibilidade de Suprema Corte revogar aborto nos EUA

O tema segue no centro das atenções nos EUA após o vazamento de um rascunho mostrando que a Suprema Corte já teria decidido derrubar a decisão do caso Roe vs. Wade, de 1973
Protesto em Nova York: possibilidade de reversão da decisão Roe vs. Wade, que tornou aborto constitucional nos EUA em 1973 (Getty Images/Pablo Monsalve/VIEWpress)
Protesto em Nova York: possibilidade de reversão da decisão Roe vs. Wade, que tornou aborto constitucional nos EUA em 1973 (Getty Images/Pablo Monsalve/VIEWpress)
Por Carolina RiveiraPublicado em 05/05/2022 06:00 | Última atualização em 05/05/2022 08:59Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O direito ao aborto como constitucional segue sendo o assunto da semana na política dos Estados Unidos. Dias após o vazamento de um rascunho mostrando que a Suprema Corte já teria decidido derrubar a lendária decisão do caso Roe vs. Wade, de 1973, mais protestos estão marcados em várias partes do país nesta quinta-feira, 5.

Atos massivos (contra e a favor ao tema) têm sido vistos em cidades americanas desde que a posição da fatia conservadora da Corte foi divulgada, diante de um vazamento obtido pelo site Político.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

A Suprema Corte americana tem desde 2020 maioria de 6 juízes conservadores em sua atual composição, contra 3 considerados liberais ou progressistas. A composição foi alterada sobretudo no mandato do ex-presidente Donald Trump, que pode indicar dois juízes.

O aborto legal é um direito constitucional nos Estados Unidos desde 1973, quando a Suprema Corte julgou o caso de uma mãe que processou o Texas por leis que consideravam a interrupção da gravidez como crime até então.

O caso, conhecido como Roe vs. Wade, terminou com a Suprema Corte julgando que a Constituição dos Estados Unidos protege o direito de uma mulher de decidir, sem intervenção excessiva do Estado, sobre levar adiante uma gravidez recém-descoberta. A exceção seria para estágios avançados da gravidez, quando o direito da mulher à privacidade não seria absoluto, segundo entendimento da Corte.

VEJA TAMBÉM

Nos últimos meses, no entanto, uma série de estados tem passado leis mais restritivas sobre direito ao aborto.

Cada estado tem direito a estabelecer suas próprias regras, mas não pode descumprir preceitos constitucionais. Os juízes terão de decidir, assim, se essas leis locais restringindo o acesso ao aborto são constitucionais - na prática, se o Roe vs. Wade seguirá valendo. O tema pode ser apreciado pela Corte no próximo mês.

Se os juízes decidirem por derrubar o direito ao aborto como constitucional, estados estarão autorizados a, cada qual, passar leis mais restritivas sobre o tema. A tendência, neste caso, é que estados progressistas mantenham suas leis atuais, enquanto conservadores restrinjam o acesso.

Um dos objetivos dos protestos massivos de mulheres que ocorrem nesta semana é tentar pressionar os juízes a mudar sua visão sobre o tema.

Mas a missão é difícil. Embora o entendimento jurídico sobre o aborto já exista nos EUA há meio século, a visão contra o Roe vs. Wade ganhou força nos últimos anos.

Reverter a jurisprudência é uma demanda antiga de parcelas mais conservadoras da população. Paralelamente aos protestos chamados de "pró-escolha", ativistas antiaborto também têm ido às ruas nesta semana.

O presidente americano, Joe Biden, também se manifestou sobre a situação, que se tornou central na discussão política americana nos últimos dias. O mandatário, que é católico, disse que a "justiça básica" exige que o Roe vs. Wade seja mantido.

"No nível federal, precisaremos de mais senadores pró-escolha e uma maioria pró-escolha na Câmara para adotar legislação que codifique Roe, que trabalharei para aprovar e sancionar", disse Biden, ligando o tema às eleições de meio de mandato que ocorrem neste ano nos EUA, e na qual seu Partido Democrata pode perder a maioria no Congresso.

Como são as leis sobre aborto no mundo

A reversão das leis sobre aborto legal em alguns estados americanos vão na contramão das regras em países desenvolvidos, da Europa ao Canadá, que passaram medidas de direito ao aborto nacionalmente a partir dos anos 1970 e 1980.

Na América Latina, uma série de países também têm mudado a legislação nos últimos anos. O primeiro país a descriminalizar o aborto foi Cuba (1965). Recentemente, o Uruguai descriminalizou o aborto em 2012, seguido anos depois por Argentina (2021), Colômbia (2022) e partes do México (2022).

No Brasil, realizar um aborto pode render às mulheres pena de um a até três anos de prisão, em um arcabouço que, no geral, data do Código Penal de 1940.

O procedimento só é permitido em três casos: estupro, gravidez que oferece risco à vida da mulher e, segundo decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2012, em casos de anencefalia, quando há malformação do cérebro do feto.