Mundo

Pelo menos 16 soldados sírios morrem em confrontos com EI na Síria

O grupo jihadista Estado Islâmico perdeu 12 dos seus membros nos conflitos com o exército sírio na província nordeste síria de Deir ez-Zor

Atualmente o Estado Islâmico (EI) domina apenas 3% do território sírio (Rodi Said/Reuters)

Atualmente o Estado Islâmico (EI) domina apenas 3% do território sírio (Rodi Said/Reuters)

E

EFE

Publicado em 4 de junho de 2018 às 14h29.

Última atualização em 4 de junho de 2018 às 14h30.

Cairo - Pelo menos 16 combatentes leais ao governo sírio morreram em confrontos contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na província nordeste síria de Deir ez-Zor, informou nesta segunda-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A ONG afirmou que a organização jihadista, que perdeu 12 dos seus membros nestes confrontos, ordenou aos combatentes, que se encontram a postos no leste do rio Eufrates, que se dirijam à margem oeste para lutar contra as forças do regime sírio.

O EI fez contínuos ataques contra posições das unidades governamentais e seus aliados, sobretudo nas duas regiões de Hasarat e Ramadi, em Deir ez-Zor, onde os extremistas tomaram o controle de algumas áreas, apontou o Observatório.

Em Deir ez-Zor, tanto as forças do regime sírio como as Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada formada principalmente por milícias curdas e apoiada por Washington, realizam uma batalha para expulsar os terroristas dessas áreas.

Atualmente, os extremistas dominam apenas 3% do território sírio e têm presença nas províncias de Deraa (sul), Al Hasakah e Deir ez-Zor, após terem perdido o controle de outras sete províncias desde 2017, segundo o Observatório.

Acompanhe tudo sobre:Bashar al-AssadEstado IslâmicoGuerra na SíriaMortesSíria

Mais de Mundo

Esquerda francesa enfrenta impasse para nomear primeiro-ministro; entenda

Brasil observa eleição na Venezuela com ‘preocupação e confiança’, diz Amorim

Eleições EUA: Doadores democratas reterão US$ 90 milhões enquanto Biden permanecer na disputa

Com ocupação de 99%, Reino Unido liberará milhares de detidos para abrir espaço nas prisões

Mais na Exame