Parte da eleição acabou: 1 em cada 4 eleitores já votou nos EUA

A eleição americana deve ter o maior comparecimento em um século, desde 1908, quando mulheres ainda nem podiam votar

O presidente americano, Donald Trump, e o rival democrata, Joe Biden, têm compromissos a todo vapor nos próximos dias. O vice-presidente, Mike Pence, novamente vice na chapa de Trump, sequer quis cancelar compromissos que tinha hoje e amanhã após dois de seus auxiliares próximos pegarem coronavírus.

Onde Paulo Guedes, Rodrigo Maia e Donald Trump se encontram? Nas análises da EXAME Research. Assine e entenda como a política mexe com seu bolso

Mas a realidade é que parte da eleição já aconteceu nos EUA, embora a data oficial de votação seja em 3 de novembro. Como o voto antecipado ou pelo correio é autorizado, mais de 58,7 milhões de eleitores já votaram, segundo o US Elections Project, que compila os dados da votação antecipada.

Esse número representa um em cada quatro eleitores elegíveis para votar neste ano. O US Elections Project estima que quase 240 milhões de americanos estão elegíveis para votar. A eleição deste ano elege também algumas das vagas do Senado americano -- hoje controlado pelos republicanos, enquanto a Câmara é controlada pelos democratas.

Na prática, se levados em conta os números de 2016, quase metade da eleição já teria acontecido. Todos os votos já dados deste ano chegam a mais de 40% dos votos que foram depositados na última eleição presidencial.

Mais de um terço dos eleitores já votaram na Califórnia, no Texas e na Flórida, este último, um dos estados mais importantes desta eleição

Mas a eleição de 2020 também deve ser diferente por outro motivo: a projeção é que haja um comparecimento recorde neste ano.

O número de eleitores indo às urnas pode chegar a 65% do total, o que seria um recorde desde as eleições de 1908 e 1904, quando mulheres ainda nem podiam votar no país -- reduzindo em uma larga fatia a quantidade de eleitores elegíveis.

Nos anos anteriores, o comparecimento tinha ficado muito menor do que isso, em pouco mais de 50%.

Os adiantados votam em Biden

Da parcela da população que está votando com antecedência ou pelo correio, a esmagadora maioria é democrata. Isso acontece em parte pelo maior receio dessa parcela da população com relação à pandemia do novo coronavírus, o que os faz evitar aglomerações.

Dos que votaram com antecedência nos estados que contabilizam os partidos dos eleitores, 53% é filiada ao Partido Democrata, 25% é republicano e 21% não tem filiação partidária.

Neste domingo, 25, Biden também foi ao Twitter para incentivar seus eleitores a irem às urnas. O democrata postou um vídeo do ex-presidente Barack Obama falando sobre a votação antecipada. "Seja como o @BarackObama. Vote cedo".

Os eleitores que não votam acabam também decidindo a eleição, e daí as tentativas dos candidatos de fazerem seu eleitorado sair de casa. 

Em 2016, quando Hillary Clinton perdeu, estudos posteriores mostraram que mais de 4 milhões de eleitores de Barack Obama decidiram não votar. Com esses votos, sobretudo nos estados cruciais, Hillary poderia ter vencido a eleição.

Na outra ponta, ter mais democratas votando com antecedência pode gerar problemas na contagem dos votos. O presidente Donald Trump têm ditos nos últimos meses que votos pelos correios -- justamente onde os democratas estão vencendo -- serão fraudados. O temor é que a eleição vá parar na Justiça, sobretudo nos estados mais apertados e onde os votos pelo correio farão diferença no resultado.


Acompanhe o podcast EXAME Política, com análises sobre os principais temas da eleição americana. No ar todas as sextas-feiras. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.