Mundo
Acompanhe:

Israel pede que ocidentais abandonem negociação nuclear com Irã

Nos últimos dias, o primeiro-ministro israelense pediu ao presidente francês e ao chefe de governo alemão que não assinasse um acordo com o Irã

O texto foi assinado em 2015 com o Irã pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Lisi Niesner/Reuters)

O texto foi assinado em 2015 com o Irã pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Lisi Niesner/Reuters)

A
AFP

24 de agosto de 2022, 13h21

As potências ocidentais devem "deixar" de negociar para renovar o acordo sobre o programa nuclear iraniano, porque permitirá que o Irã ganhe "bilhões de dólares e desestabilizará" o Oriente Médio, defendeu o primeiro-ministro israelense Yair Lapid nesta quarta-feira, 24.

Inimigo número 1 do Irã, Israel aplaudiu a decisão tomada em 2018 pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump de retirar seu país do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano.

O texto foi assinado em 2015 com o Irã pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), além da Alemanha, e buscava garantir a natureza pacífica do programa nuclear de Teerã em troca do levantamento das sanções impostas contra a República Islâmica.

Nos últimos dias, o primeiro-ministro israelense pediu ao presidente francês e ao chefe de governo alemão que não assinasse um acordo com o Irã.

"Eu disse a eles que essas negociações chegaram a um ponto em que deveriam ser interrompidas", declarou nesta quarta-feira, assegurando que Israel "não é contra um acordo por definição, mas contra esse acordo".

"O que está atualmente na mesa é um mau negócio. Isso dará ao Irã US$ 100 bilhões por ano", disse Lapid, sem explicar em que se baseava esse número. "Esse dinheiro não será usado para construir escolas ou hospitais, mas será usado para desestabilizar o Oriente Médio... fortalecendo o Hezbollah, o Hamas e a Jihad Islâmica", acrescentou.

Washington indicou recentemente que Teerã se dispôs a fazer concessões durante as negociações para restaurar o pacto.

Segundo um funcionário de alto escalão do governo dos Estados Unidos, o Irã não é mais contra certas inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), apesar de já ter exigido que a agência da ONU pare de inspecionar locais não declarados onde foram encontrados restos de urânio enriquecidos.

Além disso, Teerã também abandonou outra exigência: que a Guarda Revolucionária, seu exército ideológico, não seja mais chamado de "terrorista".

Veja também:

Biden anuncia quase US$ 3 bilhões em ajuda militar à Ucrânia

Alemanha inaugura primeira frota de trens movidos a hidrogênio do mundo