Alemanha inaugura primeira frota de trens movidos a hidrogênio do mundo

Uma frota de 14 trens, vendida pelo grupo francês Alstom para a região da Baixa Saxônia, substituirá as atuais locomotivas a diesel
Locomotivas irão cobrir 100 km da linha que liga as cidades de Cuxhaven, Bremerhaven, Bremervörde e Buxtehud (CARMEN JASPERSEN/Getty Images)
Locomotivas irão cobrir 100 km da linha que liga as cidades de Cuxhaven, Bremerhaven, Bremervörde e Buxtehud (CARMEN JASPERSEN/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 24/08/2022 às 09:34.

Última atualização em 24/08/2022 às 17:40.

A Alemanha inaugura nesta quarta-feira (24) uma linha ferroviária que funcionará inteiramente com hidrogênio, uma novidade mundial e um avanço para descarbonizar o transporte ferroviário, apesar da dificuldade de acesso a essa nova tecnologia. 

Uma frota de 14 trens, vendida pelo grupo francês Alstom para a região da Baixa Saxônia (norte), substituirá as atuais locomotivas a diesel para cobrir os 100 km da linha que liga as cidades de Cuxhaven, Bremerhaven, Bremervörde e Buxtehud.

"A qualquer hora do dia, os passageiros farão essa viagem graças ao hidrogênio", disse à AFP Stefan Schrank, gerente de projetos da Alstom, descrevendo a inauguração como "primeira no mundo".

Os trens a hidrogênio são uma forma privilegiada de reduzir as emissões de CO2 e substituir o diesel, que continua a alimentar 20% das viagens ferroviárias na Alemanha.

Os trens da Alstom combinam o hidrogênio armazenado a bordo com o oxigênio presente no ar, graças a uma célula de combustível, que produz a eletricidade necessária para garantir a tração do comboio.

Chuva de pedidos

Projetados na cidade francesa de Tarbes e montados em Salzgitter, no centro da Alemanha, esses trens são testados comercialmente desde 2018, com dois funcionando regularmente.

A Alstom já assinou quatro contratos para entregar dezenas de trens na Alemanha, França e Itália, e a demanda continua crescendo.

Só na Alemanha, "entre 2.500 e 3.000 trens a diesel poderiam ser substituídos por trens a hidrogênio", calcula Schrank.

"Em 2035, entre 15 e 20% do mercado europeu de rotas regionais poderá funcionar com hidrogênio", afirma Alexandre Charpentier, especialista em ferrovias da consultoria Roland Berger, à AFP.

Os concorrentes da Alstom também entraram neste mercado. O grupo alemão Siemens apresentou em maio um modelo para a companhia ferroviária Deutsche Bahn, com vista ao comissionamento em 2024.

Mas além das belas perspectivas, "há barreiras reais", alerta o especialista.

Não apenas os trens procuram o hidrogênio, mas todo o setor de transporte, rodoviário e aéreo, bem como a indústria pesada - siderúrgica e química - que apostam nesta tecnologia para reduzir as emissões de CO2.

Recurso escasso

Com o anúncio em 2020 de um plano de investimento de 7 bilhões de euros, a Alemanha tem a ambição de liderar a tecnologia de hidrogênio dentro de uma década.

No entanto, falta a infraestrutura necessária para a produção ou transporte, o que exigirá investimentos colossais.

Por outro lado, o hidrogênio não é necessariamente livre de carbono. Apenas o hidrogênio verde, feito a partir de energias renováveis, é considerado sustentável.

Ao mesmo tempo, existem outros métodos de fabricação mais comuns, mas que emitem gases de efeito estufa, pois são baseados em combustíveis fósseis.

Prova da escassez do produto é que a linha da Baixa Saxônia utilizará inicialmente o hidrogênio resultante da atividade de outras indústrias, como a química.

O instituto de pesquisa francês IFP, especializado em questões energéticas, explica que atualmente o hidrogênio "vem 95% da transformação de combustíveis fósseis", e quase metade vem da transformação de gás natural.

Um duplo problema, pela poluição causada pelo uso do gás, e pelas dificuldades de abastecimento desta matéria-prima fóssil na Europa, em grande parte dependente do gás russo que se tornou uma arma política com a guerra na Ucrânia.

Veja também: 

Angolanos votam para presidente em eleição mais disputada da história

EUA ameaça sancionar Turquia por suas relações com a Rússia