Mundo

Furacão Beryl deixa 18 mortos após passar pelos EUA

Nesta terça-feira, Beryl já era um ciclone pós-tropical e se movia em direção nordeste, rumo ao Canadá

O furacão Beryl se dirigindo ao México em 4 de julho de 2024 (AFP/AFP)

O furacão Beryl se dirigindo ao México em 4 de julho de 2024 (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 9 de julho de 2024 às 14h37.

Pelo menos oito pessoas morreram nos Estados Unidos devido ao Beryl, um furacão que já havia sido rebaixado a ciclone subtropical nesta terça-feira (9) e que anteriormente causou outras dez vítimas ao passar pelo Caribe.

No Texas, onde Beryl entrou como furacão de categoria 1 na manhã de segunda-feira, pelo menos sete pessoas morreram pela queda de árvores, por um incêndio causado por raios e por inundações.

Três das mortes ocorreram no condado de Montgomery, vizinho da cidade de Houston, conforme informado na noite de segunda-feira pelas autoridades locais citadas pela imprensa. Outras quatro já haviam sido relatadas na região de Houston, cidade de 2,3 milhões de habitantes que estava próxima da trajetória de Beryl.

O fenômeno climático, que depois de atingir o Texas deslocou-se para o nordeste em direção ao território americano, provocou mais uma morte na cidade de Benton, em Louisiana, informou uma autoridade local.

Estas oito vítimas juntam-se às outras 10 que Beryl deixou na semana passada durante a sua passagem pelo Caribe: três em Granada, duas em São Vicente e Granadinas, três na Venezuela e duas na Jamaica.

Nesta terça-feira, 2,2 milhões de pessoas no Texas continuavam sem eletricidade devido a danos na transmissão elétrica. Enquanto as equipes trabalhavam para restabelecer o serviço, várias cidades instalaram abrigos climatizados, pois são esperadas altas temperaturas com sensações térmicas em torno de 41ºC, segundo o Serviço Meteorológico Nacional.

Outros 14 mil clientes também não tinham eletricidade em Louisiana.

O que é o furacão Beryl?

Há uma semana, Beryl se tornou um poderoso furacão com ventos de 250 km/h que atingiram o Caribe. Foi então rebaixado para tempestade tropical na sexta-feira, depois de atingir a Riviera Maya, no México, onde deixou danos materiais. Mas no domingo à noite, a caminho dos Estados Unidos, voltou a ganhar força.

Beryl tocou o solo como furacão na segunda-feira na cidade costeira de Matagorda, Texas, com ventos de 130 km/h, causando destruição e inundações em alguns balneários da região. Após atingir áreas próximas a Houston, perdeu força ao entrar no território americano.

Nesta terça-feira, Beryl já era um ciclone pós-tropical e se movia em direção nordeste, rumo ao Canadá, com ventos de 45 km/h. Ainda pode gerar chuvas, inundações repentinas e tornados em áreas do Mississippi e Ohio, de acordo com um relatório do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC).

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Texas

Mais de Mundo

Milei denuncia 'corridas cambiais' contra seu governo e acusa FMI de ter 'más intenções'

Tiro de raspão causou ferida de 2 cm em orelha de Trump, diz ex-médico da Casa Branca

Trump diz que 'ama Elon Musk' em 1º comício após atentado

Israel bombardeia cidade do Iêmen após ataque de rebeldes huthis a Tel Aviv

Mais na Exame