Mundo

Texas se prepara para a chegada da tempestade tropical Beryl

A cidade de Galveston, ao sudeste de Houston, emitiu uma ordem de evacuação voluntária para algumas áreas

Tempestade tropical Beryl, (AFP/AFP)

Tempestade tropical Beryl, (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 19h02.

A costa do Texas estava sob alertas de furacões e maremotos neste domingo, 7, à medida que o estado localizado no sul do território americano se prepara para a chegada da tempestade tropical Beryl, que ameaça tocar o solo como um furacão.

A cidade de Galveston, ao sudeste de Houston, emitiu uma ordem de evacuação voluntária para algumas áreas, e vídeos circularam nas redes sociais mostrando filas de carros tentando sair da cidade na tarde deste domingo.

À medida que os ventos da tempestade Beryl se intensificavam, o governador interino, Dan Patrick, pediu aos texanos que ficassem alertas, ouvissem os funcionários locais e deixassem a área de perigo sempre que possível.

"Será uma tempestade mortal para as pessoas que estão diretamente em seu caminho", disse Patrick em uma coletiva de imprensa, acrescentando que é provável que Beryl toque o solo antes do amanhecer de segunda-feira entre a cidade de Corpus Christi e a ilha de Galveston.

"Acreditem em mim, vocês não gostariam de estar em um de categoria 1", alertou, referindo-se ao nível mais baixo de um furacão, com ventos entre 119 e 153 quilômetros por hora. A Casa Branca disse que monitora a situação.

Passagem pelo Caribe

O ciclone Beryl deixou pelo menos sete mortos depois de devastar o Caribe e a Venezuela, com ventos ocasionalmente alcançando o nível de categoria 5.

Desde então, perdeu força e se tornou uma tempestade tropical, mas o Centro Nacional de Furacões disse neste domingo que "se espera que se fortaleça de forma constante e que Beryl se torne novamente um furacão mais tarde hoje", antes de chegar ao Texas.

Beryl é o primeiro furacão da temporada do Atlântico, que vai do início de junho ao fim de novembro, e impressionou os especialistas pela intensidade que alcançou.

Cientistas acreditam que as mudanças climáticas, que causam o aumento das temperaturas da água, favorecem essas tempestades e aumentam as chances de uma rápida intensificação.

Acompanhe tudo sobre:Desastres naturaisEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

A menos de uma semana das eleições, crise econômica da Venezuela é vista no interior do país

Israel, Ucrânia e Palestina vão participar das Olimpíadas de Paris?

Trump já doou para a campanha de Kamala Harris quando ela era procuradora-geral da Califórnia

Mais na Exame