EUA e Filipinas reforçam aliança com exercícios militares conjuntos

Estes são os primeiros exercícios navais realizados sob o mandato do novo presidente filipino Ferdinand Marcos Jr
Um fuzileiro naval dos EUA durante exercícios anfíbios com o Exército das Filipinas em San Antonio (AFP/Divulgação)
Um fuzileiro naval dos EUA durante exercícios anfíbios com o Exército das Filipinas em San Antonio (AFP/Divulgação)
A
AFPPublicado em 07/10/2022 às 08:26.

As marinhas das Filipinas e dos EUA invadiram uma área rochosa disputada do Mar da China Meridional nesta sexta-feira (7) como parte de exercícios militares conjuntos envolvendo mais de 3.500 soldados.

Estes são os primeiros exercícios navais realizados sob o mandato do novo presidente filipino Ferdinand Marcos Jr, que expressou forte apoio à aliança entre Manila e Washington, em contraste com seu antecessor, Rodrigo Duterte.

As manobras KAMANDAG, que acontecem todos os anos, começaram na segunda-feira e vão até 14 de outubro na ilha filipina de Luzon. Um dos objetivos é melhorar a capacidade de defesa costeira das Filipinas.

Cerca de 300 soldados participaram dos exercícios anfíbios desta sexta-feira em uma praia desabitada na província de Zambales, cerca de 240 quilômetros a leste de Bajo de Masinloc, um anel de recifes rico em recursos pesqueiros, que a China tomou das Filipinas em 2012.

"Estamos nos preparando para qualquer ameaça que possa surgir mais cedo ou mais tarde", disse o comandante Emery Torre, porta-voz da Marinha das Filipinas.

No entanto, Torre esclareceu que as manobras não simulavam nenhum ataque específico contra um país nem estavam relacionadas a uma situação específica.

As recentes manobras militares da China em torno de Taiwan, que reivindica como parte de seu território, soaram alarmes nos países que fazem fronteira com o Mar do Sul da China.

Pequim reivindica sua soberania sobre quase todo o mar, e as Filipinas, Vietnã, Malásia e Brunei também reivindicam partes dele.

Veja também: 

Ucrânia recupera territórios em Kherson, região-chave no sul

Biden perdoa 6.500 condenados por posse de maconha