Ucrânia recupera territórios em Kherson, região-chave no sul

Desde o início do mês, as forças de Kiev reivindicam ter reconquistado 29 localidades das mãos dos russos
Ucrânia recupera territórios em Kherson, região-chave no sul (Leon Klein/Anadolu Agency/Getty Images)
Ucrânia recupera territórios em Kherson, região-chave no sul (Leon Klein/Anadolu Agency/Getty Images)
A
AFPPublicado em 06/10/2022 às 13:32.

A Ucrânia afirmou nesta quinta-feira, 6, que recuperou mais de 400 quilômetros quadrados na região de Kherson (sul) em menos de uma semana, depois que a Rússia anunciou a anexação desta região.

As tropas ucranianas atuam na ofensiva em todas as frentes desde o início de setembro e já recuperaram uma parte de Kherson (nordeste) e importantes eixos logísticos como Izium, Kupiansk e Liman. Nesta última localidade, no leste, as tropas de Moscou, foram praticamente cercadas.

 Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"As Forças Armadas da Ucrânia libertaram mais de 400 km² na região de Kherson desde o início de outubro", afirmou a porta-voz do Comando do Exército do Sul ucraniano, Natalia Gumeniuk.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, anunciou na quarta-feira a captura de três novas localidades nesta região e também confirmou que a contraofensiva continuava, graças às armas fornecidas por países ocidentais.

Desde 1 de outubro, as forças de Kiev reivindicam ter reconquistado 29 localidades das mãos dos russos.

O exército de Moscou garantiu em seu relatório diário que "o inimigo foi expulso da linha de defesa das tropas russas" nesta mesma região de Kherson.

Segundo o exército, as forças ucranianas mobilizaram quatro batalhões táticos na linha de frente, ou seja, centenas de homens, e "tentou em várias ocasiões romper as defesas" russas nas proximidades de Dudchany, Sukhanove, Sadok e Bruskinskoe.

Mapa com a situação do conflito na Ucrânia em 5 de outubro às 4h (horário de Brasília) (AFP/AFP Photo)

LEIA TAMBÉM: Investigação prévia sobre vazamento de gasodutos da Rússia indica sabotagem

"Estamos melhores"

O presidente russo, Vladimir Putin, cuja ordem de mobilização parcial fez com que milhares de russos fugissem, garantiu nesta quarta que a situação militar se "estabilizaria".

Dias antes, Putin reivindicou a anexação de quatro regiões ucranianas, apesar de Moscou não ter total controle de algumas delas.

Seu porta-voz, Dmitri Peskov, garantiu que os territórios perdidos serão "recuperados".

Em setembro, Putin ameaçou recorrer aos armamento nuclear.

No campo de batalha, soldados ucranianos contactados pela AFP começam a ver "uma luz no fim do túnel", após os avanços das últimas semanas, em sete meses de uma guerra exaustiva.

LEIA TAMBÉM: Descontentamento cresce entre a elite russa por derrotas na Ucrânia

"Estamos melhores agora", explica Bogdan, de 29 anos. "Vemos as conquistas e isto nos inspira", disse.

Mas os bombardeiros continuam. Em Zaporizhzhia, umas das regiões anexadas, um ataque deixou três mortos e sete feridos.

Jornalistas da AFP viram dois edifícios alvejados no centro da cidade. O primeiro andar de um deles foi destruído. A poucos metros, uma cratera profunda se abriu próximo a um condomínio residencial e muitos telhados caíram.

Visita da AIEA

Na região de Donetsk (leste) --outro território anexado--, ao menos 14 pessoas morreram e três ficaram feridas nas últimas 24 horas nas regiões controladas por Kiev, segundo a Presidência ucraniana.

O diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, deve chegar nesta quinta a Kiev, antes de partir para Moscou.

Grossi quer falar sobre a criação de uma "zona de proteção" em torno da central nuclear de Zaporizhzhia.

LEIA TAMBÉM: Rússia toma posse da maior usina nuclear da Europa, na Ucrânia

Na quarta, a Rússia se apropriou, em decreto de Putin, desta usina, a maior da Europa, nas mãos russas desde março.

No plano diplomático, 44 dirigentes europeus se reuniram nesta quinta em Praga na primeira reunião da Comunidade Política Europeia (CPE), para intensificar o isolamento de Moscou.

Na quarta, a União Europeia aprovou uma nova série de sanções contra Moscou.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus dez aliados decidiram reduzir drasticamente suas cotas de produção para manter os preços, uma medida que beneficia a Rússia, cujos principais ingressos dependem dos hidrocarbonetos.

LEIA TAMBÉM: Comunidade Política Europeia procura estabelecer frente unida contra a Rússia