Austrália reduz teto para imigrantes e veta principais cidades para alguns

Alteração chega em um momento de reflexão nacional sobre a atitude do país com estrangeiros na esteira do assassinato a tiros na Nova Zelândia

A Austrália reduziu nesta quarta-feira, 20, em 15 por cento a cota anual de imigrantes e proibiu alguns recém-chegados de morarem em suas maiores cidades por três anos visando amenizar a congestão urbana.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, que está mal colocado nas pesquisas para a eleição federal de maio, espera capitalizar a frustração crescente do eleitorado com os preços dos imóveis e a congestão, que alguns veem como uma consequência do crescimento populacional.

"Este é um problema prático que os australianos querem ver tratado", disse Morrison a repórteres na capital Canberra depois de anunciar que a acolhida anual de imigrantes será reduzida para 160 mil a partir de 1º de julho -- anteriormente era de 190 mil.

A alteração na diretriz chega em um momento de reflexão nacional sobre a atitude do país em relação aos imigrantes na esteira do assassinato a tiros de ao menos 50 pessoas em duas mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia.

O australiano Brenton Tarrant, suposto supremacista branco de 28 anos, foi acusado das mortes no sábado depois que um atirador solitário abriu fogo nas duas mesquitas durante as orações de sexta-feira.

Não existe um limite para a migração temporária, como a de estudantes com vistos provisórios, que são a maior parte dos imigrantes que vão à Austrália. O país emitiu 378.292 vistos de estudante no ano transcorrido até 30 de junho de 2018.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.