China pressiona, e Kim recua. De novo

O recuo mostra que, apesar das furiosas bravatas de Donald Trump, a estratégia mais eficaz para segurar Kim Jong-un passa pela diplomacia com os chineses

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, anunciou nesta terça-feira que adiou os planos de testes de mísseis próximos à ilha americana de Guam, no Pacífico. O adiamento é decorrência do aumento da pressão chinesa. Horas antes, a China havia suspendido importações de carvão, ferro, chumbo, minério e pescado, alguns dos principais produtos de exportação do país. A agência de notícias norte-coreana aproveitou para defender que os Estados Unidos “tomem uma decisão apropriada primeiro” para desarmar as tensões “após introduzir um enorme equipamento estratégico nuclear nas proximidades da península”. Estados Unidos e Coreia do Sul têm um treinamento militar agendado para semana que vem.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O recuo mostra que, apesar das furiosas bravatas do presidente americano, Donald Trump, a estratégia mais eficaz para segurar Kim Jong-un passa pela diplomacia com os chineses. As sanções previstas para esta terça-feira foram acertadas com o Conselho de Segurança da ONU. A China é, de longe, o principal parceiro comercial dos norte-coreanos, e o impacto econômico da medida deveria ficar em torno de 1,2 bilhão de dólares.

A China é compradora de 83% dos produtos exportados pela Coreia do Norte, numa comercialização que chega a mais de 2 bilhões de dólares por ano. Com as sanções, os chineses deixariam de comprar os seguintes itens: carvão, que corresponde a 40% do total importado do país, somando cerca de 930 milhões de dólares; produtos de mineração, como ferro e chumbo, que totalizam mais de 190 milhões de dólares; e frutos do mar, cuja venda para a China gera mais de 100 milhões de dólares por ano aos norte-coreanos.

Após 13 anos, Wu Dawei deixou o cargo de negociador e deu lugar ao diplomata Kong Xuanyou, por não ter conseguido avançar nas negociações para convencer a Coreia do Norte a abandonar o programa nuclear e de mísseis. O novo negociador tem ascendência coreana, é ministro assistente de Assuntos Exteriores e fala japonês. O Japão é, junto com China e Coreia do Sul, o país mais próximo dos mísseis da Kim Jong-un.

Resta saber, agora, se Seul e Washington manterão os exercícios militares. Kim recuou como sempre o fez. Trump fará o mesmo?

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.