TV aberta cresce 25% no 1º semestre

Investimentos ligados à Copa do Mundo e novidades nas grades das emissoras favoreceram aumento de faturamento este ano
 (EXAME.com)
(EXAME.com)
J
Juliana WellingPublicado em 02/08/2010 às 18:09.

São Paulo - Em ano de Copa do Mundo, natural que os investimentos publicitários direcionados  aos diversos meios de comunicação sejam intensificados. Os resultados alcançados no primeiro semestre de 2010, de acordo com números do Ibope Monitor, confirmam  esse desempenho. De janeiro até junho o total da receita investida nos meios TV aberta, jornal, TV por assinatura, revista, internet, rádio, cinema e outdoor contabilizou R$ 35,050 bilhões. Em 2009, a verba foi de R$ 28,059 bilhões.

Segundo os dados divulgados pelo instituto, a TV aberta recebeu, nos primeiros seis meses do ano, mais de R$ 18,848 bilhões em receita publicitária contra os R$ 15,038 bilhões destinados ao meio no mesmo período do ano anterior, representando aproximadamente 25% de aumento. Assim como nos demais anos, o veículo continua na liderança do share publicitário, com 53,8% de participação. Em seguida está o jornal, que conquistou no primeiro semestre  R$ 7,492 bilhões dos investimentos. Já nos primeiros seis meses de 2009 o meio contabilizou a receita de R$ 6,314 bilhões.

Após o jornal, a TV por assinatura é o meio que mais se destacou nos primeiros seis meses de 2010. De acordo com os dados do Ibope Monitor, recebeu de janeiro a junho R$ 2,786 bilhões em receita publicitária. No mesmo período de 2009, os investimentos ficaram em torno de R$ 2,200 bilhões.

Ano aquecido

Assim como apontam os dados do Ibope Monitor, o primeiro semestre das TVs abertas foi marcado por uma forte movimentação na área comercial. Além do evento da Copa do Mundo, novidades na grade de programação e o aquecimento da economia foram os principais motivos apontados pelas emissoras para o aumento do faturamento publicitário do setor.

O SBT, por exemplo, obteve crescimento de 32% no faturamento publicitário  neste primeiro semestre de 2010. De acordo com Henrique Casciato, diretor comercial da emissora, este é o melhor resultado do SBT desde 2005. "Em 2009 já havíamos crescido 11% em relação a 2008. O período de Copa é bom para todo mundo. Mas a grande procura comercial também se deve à boa situação econômica do País e à grade diversificada e estável do SBT", afirmou Casciato.

Em um segundo semestre que poderá ser abalado devido à veiculação do horário eleitoral - que neste ano vai de 17 de agosto a 30 de setembro -, o diretor comercial do SBT prevê um crescimento de 10% em relação a 2009. "Para 2010 prevemos um aumento de 15% no faturamento da emissora", destacou o executivo.


Detentora de mais de 60% de toda a verba publicitária para o meio televisivo, a Rede Globo não revelou dados sobre o seu faturamento. Mas conforme Willy Haas, diretor geral de comercialização da Rede Globo, a emissora obteve resultados positivos. "A manutenção de nossos altos índices de audiência se traduziu em investimento publicitário consistente. Entre janeiro e abril, por exemplo, o mercado publicitário cresceu 25,9% e a TV aberta aumentou 33,1%", disse Haas, acrescentando que os investimentos em mídia em 2010 devem apresentar crescimento expressivo. Para o executivo, a Copa do Mundo movimentou significativamente o mercado anunciante, que investiu em campanhas direcionadas, envolvendo tanto a indústria quanto o varejo.

O diretor executivo comercial da Band, Marcelo Mainardi, também aponta crescimento no faturamento da emissora neste primeiro semestre. De acordo com Mainardi, a Band obteve 44% de aumento em relação ao mesmo período de 2009. "A Copa, sem dúvida, é um anabolizante. Mas o crescimento também diz respeito à nossa grade nova, que estreou no dia 2 de maio", explicou Mainardi, complementando que a partir de agosto a emissora apresentará novidades em sua grade de sábado, com a meta de "rejuvenescer" a programação do canal. Segundo o executivo, novas contratações poderão ocorrer. Para 2010, a previsão de crescimento é em torno de 35%.

Já a Rede TV! apresentou crescimento de 20% nos primeiros seis meses do ano. De acordo com Otaviano Pereira, superintendente comercial, apesar da emissora não deter os direitos de transmissão da Copa, a Rede TV! pôde rechear a programação com conteúdo relativo ao evento esportivo. "Conseguimos, com isso, gerar ganhos de audiência e movimentar o mercado anunciante. Mas o aquecimento da economia também favoreceu esse crescimento", afirmou Pereira. A projeção do executivo é de que, em 2010, a Rede TV! obtenha cerca de 30% de aumento de seu faturamento em relação a 2009.

De acordo com Walter Zagari,  vp comercial da Rede Record, de janeiro a junho a emissora obteve 50% de crescimento no primeiro semestre de 2010. "Esse desempenho sinaliza um segundo semestre também bastante promissor. Estamos projetando um crescimento em torno de 40%", afirmou.