Milhões de consumidores aproveitam liquidação nos EUA

Lojas esperam que um total de 138 milhões de consumidores compre entre esta sexta (26/11) e domingo (28/11)

Nova York - Milhões de americanos saem às compras nesta sexta-feira para a alegria dos comerciantes, que muitas vezes oferecem regalias como lanches e música ao vivo, e já deram a largada para a temporada de liquidações no país.

As lojas aproveitaram a oportunidade para abrir as portas mais cedo e atender até mais tarde, enquanto algumas se dispuseram a ficar abertas por 24 horas.

"Em vez de esperar o Dia de Ação das Graças para começar a divulgar as ofertas, muitos comerciantes preferem antecipar os preços baixos e alimentar os rumores nos meios de comunicação, sobretudo na internet", explicou o presidente da Federação Nacional do Comércio de Varejo dos Estados Unidos, Matthew Shay.

As lojas esperam um total de 138 milhões de consumidores nas ruas desta sexta-feira até domingo (cerca de 3% a mais que em 2009) e preparam-se para o dia frenético chamado de "Black Friday", realizado sempre na última sexta-feira de novembro, tradicionalmente conhecido como o início da temporada de compras para o Natal.

A data recebe este nome porque neste dia os lojistas trocam as etiquetas e começam a escrever os valores em preto.

As maiores filas são formadas nas calçadas próximas às lojas de produtos de informática por aficcionados por tecnologia e aparatos eletrônicos como Kindle e iPads.

Conscientes da oportunidade, diversas marcas atraíram clientes com campanhas promocionais na internet.

De acordo com uma pesquisa do site "Shop.org", 54,9% das empresas do país encaminharam alguma forma de publicidade por e-mail para impulsionar as vendas do dia, 39,2% delas divulgaram no Facebook, 31,4% anunciaram ofertas em seu próprio portal e 21,6% no Twitter.

Lojas de departamentos especializadas em construção e papelaria como a Home Depot e a Staples também aderiram ao "Black Friday" com a esperança de tirar proveito do dia mais rentável do ano.

"A última sexta-feira de novembro será incrível para todos os setores comerciais, inclusive para os que não costumam vender presentes natalinos", destacou o presidente da America's Research Group, Britt Beemer, quem ressaltou que a porcentagem de americanos que devem aproveitar a promoção é a mais alta dos últimos 20 anos.

"Os consumidores, entretanto, estão menos impulsivos: fizeram a tarefa de casa e pesquisaram quais são as melhores ofertas", explicou um analista do NPD Group.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.