Condições do consignado do Auxílio serão oportunamente divulgadas, diz Caixa

A presidente da CEF, Daniella Marques, afirmou em agosto que o banco vai operar a linha, e que praticaria a "menor taxa do mercado"
A Caixa afirma ainda que dá orientações financeiras aos clientes através de seu site (Marcello Casal jr/Agência Brasil)
A Caixa afirma ainda que dá orientações financeiras aos clientes através de seu site (Marcello Casal jr/Agência Brasil)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 28/09/2022 às 19:36.

A Caixa Econômica Federal (CEF) informou nesta quarta-feira, 28, que está analisando a portaria 816 do Ministério da Cidadania, que determina as condições para o consignado do Auxílio Brasil. Segundo o banco, as condições da linha de crédito serão informadas em breve.

"As condições do crédito consignado, destinado aos beneficiários do Auxílio Brasil, serão oportunamente divulgadas e oferecidas aos clientes", afirma a instituição pública em nota.

A presidente da CEF, Daniella Marques, afirmou em agosto que o banco vai operar a linha, e que praticaria a "menor taxa do mercado".

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.

A portaria da Cidadania determinou que o teto dos juros do crédito seja de 3,5% ao mês. Além disso, limitou o desconto máximo a 40% do benefício definitivo, de R$ 400, ou seja, a R$ 160. Ao menos até o final deste ano, o governo está pagando R$ 600 em benefícios ao mês.

A Caixa afirma ainda que dá orientações financeiras aos clientes através de seu site, e que clientes que possuem empréstimos com taxas de juros mais elevadas poderão "trocá-los" pelo consignado que tem juros mais baixos.

Poucos bancos têm mostrado disposição a oferecer o consignado do Auxílio Brasil. Itaú e Bradesco informaram que não oferecerão o produto, enquanto o Banco do Brasil disse, em agosto, ainda não ter nada definido.

LEIA TAMBÉM:

Governo disponibilizará consignado a beneficiários do Auxílio Brasil nesta semana

Recuperação desigual: vendas de microempreendedores seguem 18% abaixo de 2021