Vale e siderúrgicas enfrentam nova onda de queda com minério de ferro

Sinais de desaceleração do setor de aço são principal motivo para a baixa recente; crise de energia também afeta a commodity
Quedas também refletem desempenho das companhias no 3º trimestre de 2021 | Foto: Ian Waldie/Bloomberg (Ian Waldie/Bloomberg)
Quedas também refletem desempenho das companhias no 3º trimestre de 2021 | Foto: Ian Waldie/Bloomberg (Ian Waldie/Bloomberg)
D
Da redação, com agências

Publicado em 01/11/2021 às 10:46.

Última atualização em 01/11/2021 às 17:44.

As ações da Vale (VALE3) e das siderúrgicas voltaram a ser impactadas com a queda do minério de ferro nesta segunda-feira, 1. Os futuros da commodity caíram pelo quarto dia em Singapura sob o impacto de dados econômicos da China, que sinalizaram desaceleração no setor de aço e da manufatura em geral.

As ações das siderúrgicas Gerdau (GGBR4) Usiminas (USIM5) fecharam o dia com quedas de 1,12% e 1,13%, respectivamente, após recuo de mais de 2% na mínima do dia. Já os papéis da Vale (VALE3) passaram a manhã em queda, mas viraram para a alta ao longo da tarde e fecharam o dia com ganhos de 0,99%.

No caso da mineradora, as ações passaram por uma correção após a queda no último pregão, em que as ações da mineradora recuaram 2,84%, após a empresa frustrar as expectativas de investidores com seu resultado do balanço do terceiro trimestre de 2021.

No período, a principal mineradora do país apresentou Ebitda ajustado de 6,94 bilhões de dólares, 14% acima do registrado no mesmo período do ano passado, mas abaixo do consenso da Bloomberg de 8,83 bilhões de dólares. A receita operacional líquida também decepcionou, ficando em 12,68 bilhões de dólares, abaixo da mediana das projeções de 14,66 bilhões de dólares.

Mesmo com a alta de hoje, as ações da Vale já recuam mais de 36% desde junho, acompanhando a derrocada do minério. A commodity passa por um período recorde de perdas mensais em meio a restrições à produção de aço e crise de energia que provocou caos nos preços do carvão. Segundo pesquisa da China Iron & Steel Association, a produção de aço deve ter encolhido ainda mais em outubro. Em setembro, os volumes atingiram o menor patamar desde 2017.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria do aço caiu de 45 para 38,3 em outubro, com fortes cortes da produção e novos pedidos. Um número abaixo de 50 sinaliza retração. O PMI de manufatura da China também mostrou baixa. O setor de manufatura é a principal fonte de demanda de alguns produtos siderúrgicos, como bobinas laminadas a quente.

Mês Outubro Setembro Agosto Julho Junho
PMI da indústria do aço 38,3 45 41,8 43,1 45,1

Os indicadores oficiais apontam para uma maior desaceleração do crescimento na China, disseram economistas da Nomura Holdings como Lu Ting. “Acreditamos que a situação real poderia ser pior do que os principais PMIs devido à distorção do subíndice de tempo de entrega de fornecedores e à falha da pesquisa PMI em capturar as crescentes restrições antiCovid na última semana de outubro.”

Nos portos da China, os estoques subiram pela quinta semana, para o maior nível desde abril de 2019, de acordo com números do site Steelhome. As retiradas diárias estão nos menores níveis dos últimos anos, segundo a Navigate Commodities.

Os contratos futuros de minério de ferro eram negociados com baixa de 3,2%, cotados a US$ 102,75 a tonelada às 15h12 de Singapura, rumo ao menor fechamento em cerca de seis semanas. Os futuros em Dalian ampliaram o período de perdas, enquanto o vergalhão e a bobina laminada a quente também fecharam em baixa em Xangai.

  • Para entender como conquistar sua liberdade financeira de forma prática e segura, Jerson Zanlorenzi, head da mesa de ações e derivativos do BTG Pactual Digital, preparou um treinamento online e gratuito ensinando a estratégia que vai colocar a sua vida nos trilhos da prosperidade. Começa no dia 08/11. Clique aqui para acessar.

*Com a Bloomberg