Acompanhe:

Sinistro: o que significa sinistro nos seguros?

É preciso entender o que é sinistro, um termo bem comum no mundo dos seguros, e como proceder em uma eventual situação

 (Getty/Getty Images)

(Getty/Getty Images)

D
Da Redação

23 de dezembro de 2022, 11h04

Em meio aos imprevistos do dia a dia, a quantidade de pessoas que estão aderindo aos seguros aumenta cada vez mais. Nesse sentido, é preciso entender o que é sinistro, um termo bem comum no mundo dos seguros, e como proceder em uma eventual situação.

Apesar de o termo ser bastante comum, abordando desde os seguros de vida até cartões e itens pessoais, muitos ainda não sabem o que significa sinistro no seguro. Veja qual é o significado, os principais tipos existentes e alguns exemplos.

O que é sinistro no seguro?

O significado de sinistro representa a ocorrência de um risco coberto, durante o período de vigência do plano de seguro. 

Em outras palavras, o sinistro representa um acidente, um acontecimento inesperado, que está coberto conforme a apólice e, caso esteja especificado, haverá uma indenização.

Em seguida, a seguradora valida a reclamação. Caso seja aprovado, a seguradora emitirá o pagamento ao segurado ou a um interessado aprovado em nome do segurado.

Nesse sentido, qualquer acidente ou imprevisto que não esteja listado no contrato do seguro não é considerado um sinistro, pois não representa um risco coberto.

Além disso, em alguns casos, um terceiro pode registrar reclamações em nome do segurado. No entanto, na maioria dos casos, apenas a pessoa listada na apólice de seguro tem direito a reivindicar pagamentos.

Quais são os tipos de sinistros nos seguros?

Os sinistros nos seguros podem ser classificados como integral ou parcial. Nos casos em que o sinistro é dito como integral, a seguradora deve arcar com o valor total da indenização. Ou seja, em casos como roubo de veículo, a seguradora deve pagar o valor integral do carro ao segurado.

Já no caso do sinistro parcial, a seguradora deve arcar apenas com uma parte do valor. Utilizando do mesmo exemplo do veículo, em caso de batida, a seguradora arcará apenas com parte do valor danificado.

Apesar de o exemplo utilizado ter sido veicular, vale lembrar que o sinistro pode acontecer com bens próprios do segurado ou de terceiros, a depender sempre das coberturas contratadas na apólice.

Com isso, ao entrar em contato com a seguradora para comunicar o sinistro, ela entra em ação para verificar todo o ocorrido e a apólice, de maneira a confirmar a veracidade do evento para prosseguir com o pagamento da indenização.

A seguir será destacado alguns exemplos de sinistro nos seguros.

Sinistro no seguro de vida

Quando se trata do sinistro no seguro de vida, as causas mais comuns são: morte, acidente com invalidez, seja permanente ou parcial, além de doenças.

Sinistro no seguro residencial

No seguro residencial os sinistros mais comuns são: ocorrência de dano ao imóvel segurado em razão de incêndio, roubo, explosão, queda de raio, entre outros, que podem variar conforme a cobertura que foi assinada.

Sinistro no seguro prestamista

Neste caso, ocorre com um profissional liberal, que por conta de um acidente não possui mais condições de trabalhar para pagar determinada dívida e contratou um seguro prestamista para ele. Isso pode ser considerado um sinistro nesta apólice.

Como funciona o sinistro de seguro?

O sinistro de seguro serve para indenizar um segurado contra perdas financeiras. Um indivíduo ou grupo paga prêmios como contrapartida pela conclusão de um contrato de seguro entre o segurado e uma seguradora.

Os sinistros de seguro mais comuns envolvem custos de bens e serviços médicos, danos físicos, perda de vida, responsabilidade pela propriedade de residências, proprietários e locatários, e responsabilidade resultante da operação de automóveis.

Para apólices de seguro de propriedade e causalidade, independentemente do escopo de um acidente ou de quem foi o culpado, o número de reivindicações de seguro que você registre tem um impacto direto na taxa que você paga para obter cobertura.

Nesse sentido, quanto maior o número de reivindicações apresentadas por um segurado, maior a probabilidade de um aumento da taxa. Em alguns casos, é possível que, se você registrar muitas reclamações, a seguradora decida negar a cobertura do sinistro.

Se a ação estiver sendo movida com base nos danos à propriedade que você causou, suas taxas quase certamente aumentarão. Por outro lado, se você não tiver culpa, suas taxas podem ou não aumentar. 

Independentemente da sua situação, minimizar o número de sinistros que você registra é a chave para proteger suas taxas de seguro de um aumento substancial.

Quais são os documentos necessários para dar entrada no sinistro?

Muitos fatores determinam como será o seu processo de sinistros. Isso pode envolver enviar documentos, ligar para um representante, usar o aplicativo da empresa ou uma combinação dessas ações. Nesse sentido, em caso de acidente, o contato com a seguradora deve acontecer o mais rápido possível.

Assim que o sinistro for iniciado, a seguradora coletará informações relevantes sobre você e poderá solicitar provas. A seguradora também pode enviar um perito para entrevistá-lo e avaliar os méritos de sua reivindicação.

No caso da documentação, irá variar conforme o bem que foi danificado. Entretanto, existem alguns documentos em comum que costumam ser exigidos em diversas coberturas de seguro. São eles: RG e CPF, prontuário médico, boletim de ocorrência e, em caso de acidentes de carro, CNH e documentação do veículo.

Vale lembrar que o pagamento do sinistro deve ser efetuado em um prazo de até 30 dias, contados a partir da entrega de todos os documentos solicitados pela seguradora.

Após compreender o que é sinistro, o segurado deve se atentar aos moldes e detalhes do contrato que foi estabelecido, a fim de garantir e conhecer os pontos que serão cobertos pela apólice e não ser pego de surpresa na hora do acontecimento.

Além disso, é fundamental escolher uma boa seguradora e avaliar seu perfil e reputação no mercado, pois isso será a chave principal para garantir uma maior segurança e tranquilidade quando ocorrer algum sinistro. 

Com isso, é de extrema necessidade que o segurado escolha uma seguradora que vá de encontro com as suas necessidades e que atenda seu perfil com excelência.

Foi possível entender o que é sinistro e como ele funciona nos seguros? Acompanhe outros conteúdos do Guia de Investimentos da Exame Invest, como:

Como resgatar caderneta de poupança antiga?
O que é sindicato e como ele funciona?
Como consultar o PIS pelo CPF?