Fundos de papel: o que são e como funcionam?

No mercado de renda variável aparecem vários termos próprios em cada tipo de ativo.
 (Divulgação/Foto)
(Divulgação/Foto)
Por Da RedaçãoPublicado em 24/05/2022 14:59 | Última atualização em 24/05/2022 14:59Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ao se observar os principais tipos de fundos imobiliários, por exemplo, uma das principais dúvidas que surgem é o que são fundos de papel.

Esse é um dos termos que pode confundir os investidores mais iniciantes. No entanto, compreender o seu significado é fundamental no dia-a-dia do investidor. Afinal, o que são fundos de papel?

O que são fundos de papel?

Fundos de papel são os FIIs que tem seus investimentos voltados principalmente em ativos como:

  • Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI);
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras Hipotecárias (LH);
  • Certificados de potencial adicional de construção (CEPAC);
  • Cotas de fundos de investimento em direitos creditórios (FIDC);
  • Cotas de outros FIIs.

Eles também são chamados de fundos de recebíveis imobiliários. Diferentemente dos fundos imobiliários de tijolo, os FIIs de papel adquirem títulos relacionados ao mercado imobiliário, ao invés de imóveis físicos. 

Como funcionam os fundos imobiliários de papel?

As cotas dos fundos imobiliários de papel são negociadas na bolsa de valores brasileira (B3). Com os recursos obtidos das cotas, esses FIIs montam sua carteira formada por ativos como CRIs, LCIs, LHs e outros. 

A partir do resultado líquido mensal obtido por esses fundos, eles poderão distribuir pelo menos 95% em proventos aos seus cotistas. Uma das vantagens dos FIIs de papel é proporcionar um menor risco e volatilidade de preço aos investidores, quando se compara com outros ativos de renda variável.

A liquidez dos fundos de papel tem se mostrado bem interessante ao investidor com o passar do tempo, além de proporcionar uma maior diversificação do risco em sua carteira, já que se distribui os ativos em diferentes credores e setores.

Para entender melhor o que são fundos de papel, é preciso conhecer os termos que são utilizados por eles. 

O que é LCI, CRI e LH?

Para entender melhor o que é cada um desses ativos citados, é importante conhecer as suas definições. Os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) são títulos emitidos por instituições. São ativos de renda fixa que são isentos de imposto de renda.

Basicamente, os CRIs representam uma garantia de pagamento futuro. No caso dos FIIs, por exemplo, quando alguma instituição tem algum projeto e precisa de recursos para poder executá-lo, ela pode emitir um CRI com uma empresa securitizadora. Esse CRI pode então ser comprado por um FII de papel, que receberá um valor de antecipação dos aluguéis somado à correção de um índice inflacionário, como o IPCA.

Já as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) são letras emitidas somente por instituições financeiras para ofertar empréstimos ao segmento imobiliário. Os LCIs podem ser tanto pré quanto pós-fixadas. O valor recebido pela instituição emissora estará indexado a uma taxa, como o CDI.

Assim como os CRIs, às Letras Hipotecárias (LH) também são títulos de renda fixa emitidos por instituições financeiras. O lastro desses títulos estão em crédito imobiliário e também podem ser pré ou pós-fixados, como ocorre no LCI. Elas estarão indexadas a uma taxa como INPC ou IGP-M. 

De qualquer modo, saber o que são fundos de papel possibilita ao investidor uma nova possibilidade de investimento que ainda é pouco compreendida de fato por boa parte dos brasileiros, e assim, gerar mais oportunidade de diversificar sua carteira de FIIs.

Qual a diferença entre fundos de papel e de tijolo?

A diferença é que quando falamos de fundos de papel, quer dizer que esses FIIs possuem títulos representando contratos do setor imobiliário, ao contrário dos fundos de tijolo que realizam investimentos em ativos reais, ou seja, detêm imóveis diretamente no seu portfólio.

Esse artigo te ajudou a entender melhor o que são fundos de papel? Confira também 5 tipos de fundos imobiliários para investir no nosso Guia de Investimentos!