A Suécia digitalizou dados de transporte e concluiu: bicicleta é a solução

Para Östen Ekengre, responsável pelos projetos de cidade inteligente do país, é preciso replanejar a infraestrutura das metrópoles

Não é exagero dizer que a Suécia é uma referência no conceito de cidades inteligentes. O uso avançado de tecnologias para gerir o dia a dia da municipalidade é uma estratégia de governo, inclusive com o objetivo de exportar soluções para outros países. Um dos principais benefícios da tecnologia é a possibilidade de reunir dados sobre tudo, como o trânsito das metrópoles. E, após anos de coleta de informações e estudos, os suecos descobriram uma tecnologia imbatível para melhorar a fluidez do tráfego de veículos: a bicicleta. 

Para Östen Ekengre, conselheiro sênior do IVL Swedish Environmental Research Institute, órgão criado pelo governo em 1966 para conduzir estudos sobre meio ambiente, a experiência sueca demonstra que a tecnologia é uma ferramenta para organizar a cidade, mas ela, sozinha, não resolve os problemas. “Se o tráfego depende de carros individuais, a digitalização não vai funcionar”, afirma Ekengre, que está à frente dos estudos sobre planejamento urbano no país. 

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

Em Estocolmo, maior cidade sueca, o que os dados mostram é que a maioria das viagens é de curta distância. A infraestrutura da metrópole, no entanto, não favorece o transporte cicloviário como deveria. “Precisamos replanejar”, afirma Ekengre. “A bicicleta, além de ser um transporte eficiente, melhora a saúde das pessoas.” 

Os planos suecos para o transporte público não se resumem às ciclovias. Um ponto importante é o metrô. “Nem tudo pode ir por cima da terra”, diz Ekengre. O país também vem aumentando a eletrificação dos transportes e, onde não é possível confiar nas baterias, o uso de combustíveis alternativos. A produção de biocombustíveis, por sinal, resolve outro problema: o lixo. 

A Suécia produz boa parte do seu biogás a partir de resíduos orgânicos (mais especificamente, esgoto), garantindo uma destinação adequadas aos rejeitos urbanos. A demanda é tamanha que o país chegou a importar lixo para produzir biogás — Ekengre, entretanto, afirma que essa não é uma solução sustentável. 

No Brasil, o governo sueco mantém uma parceria com a cidade de Curitiba desde 2013 focada em mobilidade. A iniciativa está entrando em uma nova fase, este ano, que irá explorar maneiras de usar plataformas tecnológicas para coletar e analisar dados. Ekengre elogia o sistema de ônibus da cidade, idealizado pelo urbanista Jaime Lerner, ex-prefeito da capital paranaense. “O sistema de ônibus leves brasileiro é muito eficiente”, diz ele. O que falta, no entanto, é eletrificar. 

Desde a semana passada, o governo sueco promove no país uma série debates sobre tecnologia, no evento Semanas de Inovação Brasil-Suécia. Nesta segunda-feira, 16, a produção de biogás estará em destaque. As inscrições para participar do evento, que será online, podem ser feitas no site da iniciativa.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.