Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

A criptomoeda Solana acumula uma das maiores quedas no mercado nas últimas 24 horas, prejudicada por rumores sobre uma possível venda significativa de ativos por parte da corretora falida FTX. Dados da plataforma CoinGecko mostram que o ativo acumula uma perda de 3,2% nas últimas 24 horas - chegando a cair mais de 6% - e de 10,2% nos últimos sete dias.

A queda começou após temores de que a FTX possa em breve liquidar suas participações significativas no token e em outros criptoativos ligados ao ecossistema da Solana. Atualmente, a exchange falida detém cerca de US$ 1,5 bilhão em ativos ligados à rede, refletindo um antigo apoio ao projeto por parte do ex-CEO da FTX, Sam Bankman-Fried.

Desse montante, os tokens de Solana representam US$ 128 milhões. O restante do valor é composto por várias criptomoedas baseadas na Solana, como Wrapped Bitcoin (WBTC), Maps token (MAPS), Serum (SRM) e vários outros ativos coloquialmente chamados de "Sam coins" (Moedas de Sam, em tradução livre) – em uma alusão a Bankman-Fried.

A possibilidade de que os administradores da massa falida da FTX poderão em breve liberar US$ 128 milhões em Solana e centenas de milhões em outros tokens afiliados à  rede no mercado vem chamando a atenção de investidores. Diversos usuários falaram sobre o assunto nas últimas horas, prevendo uma "desvalorização massiva" do ativo.

Planos de falência da FTX

Por outro lado, especialistas do mercado cripto pediram calma, já que o plano de falência na verdade restringe a quantidade de tokens que pode ser vendida de uma só vez. De acordo com os registros do pedido de falência da FTX, o plano proposto para a liquidação dos ativos impõe uma série de condições para a venda.

Nesse plano, a administração da FTX só teria permissão para vender um máximo de US$ 100 milhões em criptomoedas por semana. No entanto, esse limite poderia ser aumentado para US$ 200 milhões no caso de um token específico. Esses limites foram criados como uma tentativa de minimizar o impacto das vendas no mercado e, ao mesmo tempo, permitir que a FTX possa ressarcir seus credores.

Além disso, o plano proposto ainda não foi referendado pelos tribunais nos Estados Unidos, onde a falência foi decretada. No entanto, espera-se que o plano e uma série de outros assuntos relacionados às vendas de criptomoedas sob posse da FTX sejam discutidos no Tribunal de Falências de Delaware na próxima quarta-feira, 13.

Em uma audiência em 12 de abril, a FTX revelou que havia recuperado cerca de US$ 7,3 bilhões em ativos líquidos, sendo que US$ 4,8 bilhões dessa soma eram compostos por ativos recuperados em novembro de 2022. Documentos apresentados na audiência mostram que a FTX detém um total de US$ 4,3 bilhões em criptoativos disponíveis para recuperação das partes interessadas a preços de mercado.

Comece seu portfólio de criptomoedas. A Mynt é uma empresa BTG Pactual para você comprar e vender crypto com segurança e atendimento 24 horas. Abra agora sua conta e desbloqueie seu mundo crypto.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
Futuro das redes sociais é na Web3: conheça o SocialFi, que pode 'matar' Facebook e Twitter
Future of Money

Futuro das redes sociais é na Web3: conheça o SocialFi, que pode 'matar' Facebook e Twitter

Há 8 horas
Bitcoin: a relação entre a baixa volatilidade e retornos acima da média
Future of Money

Bitcoin: a relação entre a baixa volatilidade e retornos acima da média

Há 9 horas
Euro digital "não será totalmente anônimo", afirma presidente do BCE
Future of Money

Euro digital "não será totalmente anônimo", afirma presidente do BCE

Há um dia
Torcedor usa moeda digital do Grêmio e arremata camisa autografada de Suárez por R$ 6 mil
Future of Money

Torcedor usa moeda digital do Grêmio e arremata camisa autografada de Suárez por R$ 6 mil

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais