Ex-CEO da Disney prevê ‘explosão de NFTs’ e cita preocupação com metaverso

Bob Iger, que já comandou a gigante do entretenimento, vê possibilidades 'extraordinárias' para a empresa no ramo dos NFTs a partir de seus personagens icônicos
A Disney já estaria licenciando NFTs colecionáveis de seus personagens (Roberto Machado Noa/Getty Images)
A Disney já estaria licenciando NFTs colecionáveis de seus personagens (Roberto Machado Noa/Getty Images)
Por Mariana Maria SilvaPublicado em 02/02/2022 12:31 | Última atualização em 02/02/2022 12:31Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Em um participação no podcast “Sway”, o ex-CEO da Disney, Bob Iger, afirmou que uma “explosão de NFTs” estaria por vir. O executivo ainda comparou os tokens não-fungíveis aos cards de beisebol que colecionava quando era criança.

"Nós esquecemos, em nossa geração, que as coisas não precisam ser físicas", disse ele, ao New York Times. "Eles podem ser digitais e ter significado para as pessoas. E enquanto esse significado puder ser essencialmente criado em um blockchain, acho que você verá uma explosão de coisas sendo criadas, negociadas e colecionadas em NFTs", explicou.

Como ex-CEO da Disney, o executivo acredita que a empresa tem uma gama extremamente rica de possibilidades para explorar a tecnologia, em conjunto a sua grande variedade de personagens que conquistam o público há quase 100 anos. Segundo ele, a empresa já teria feito o licenciamento de sua propriedade intelectual para lançar NFTs de nomes populares da Disney e da Marvel com a plataforma de colecionáveis digitais VeVe.

Anteriormente, a Disney já havia patenteado uma tecnologia para trazer o metaverso aos seus parques temáticos, e o atual CEO da empresa, Bob Chapek, chegou a dizer que “o metaverso é nosso futuro e faremos dele um lugar mais feliz”.

No entanto, Bob Iger destaca que ao criar um metaverso para si, a Disney terá que controlar determinados tipos de comportamento tóxico que, segundo ele, podem acontecer com mais intensidade em um ambiente ainda mais imersivo que a Web 2.0. “Acho que algo que a Disney terá que considerar ao falar sobre a criação de um metaverso para si, é moderar e monitorar o comportamento”, disse, brincando que estaria pensando em recomendar aos seus filhos que estudem tecnologias para resolver esse problema no futuro.

Ainda assim, o ex-CEO da Disney reconhece que a experiência com a Web 3.0 será mais atraente e democrática: "Falo sobre democratização. Vai ser disperso. Você pode ter um avatar, mas vai por todos os lados. E acho que é provável que se transforme em algo real como experiência".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok