Elon Musk se posiciona contra lei de tributação de criptoativos nos EUA

O empresário concorda com a visão do CEO da Coinbase e pensa que projeto iria determinar "vencedores ou perdedores" na tecnologia

O CEO da Telsa e da Space X, Elon Musk, se posicionou publicamente e pressionou legisladores norte-americanos responsáveis pelo projeto de lei que pretende tributar criptoativos, pedindo para que estes não “tentem determinar vencedores ou perdedores no mercado de criptomoedas”. A mensagem foi publicado em resposta à uma mensagem no Twitter de Brian Armstrong, CEO da Coinbase, na sexta-feira, 6.

  • “Não há crise que justifique legislações intempestivas”, postou na rede social o CEO da Tesla e influenciador do mundo das criptomoedas depois que Armstrong classificou a emenda mais recente proposta pelo projeto de lei tributária como “desastrosa”.
  • A emenda, que foi solicitada no final da quinta-feira, 5, pelos senadores Rob Portman e Mark Warner tem a intenção de enfraquecer o fornecimento de criptomoedas ao excluir a mineração por prova de trabalho e entidades envolvidas na venda de hardwares e softwares que dão o controle de chaves privadas para ativos digitais.
  • Armstrong foi um dos maiores críticos à taxação. Em uma série de 10 posts no Twitter, a segunda que ele postou no período de dois dias, ele direciona sua ira pela emenda proposta por Portman e Warner. “Às 11 horas, Mark Warner propôs uma emenda que irá decidir quais tecnologias fundamentais são OK e quais não são quando se fala de criptomoedas”, disse Armstrong. “Isso é desastroso”.
  • Armstrong pede que a emenda seja rejeitada, e uma proposta anterior seja aprovada em seu lugar, como ele disse em um dos posts da série que postou na quarta-feira, 4, onde elogiou a proposta dos senadores Ron Wyden, Pat Toomey e Cynthia Lummis por estreitar a definição de “intermediários que tem a capacidade de reportar”.
  • Ele acredita que o projeto de lei poderia ameaçar o desenvolvimento dos criptoativos nos Estados Unidos e levar a inovação da indústria para outros países a partir de mineradores, validadores, contratos inteligentes, desenvolvedores de código aberto e outros que enfrentariam “grandes obrigações de declaração”.
  • Tais requisitos fariam com que a Coinbase e outras corretoras “fiscalizassem” as transações de seus clientes de forma mais invasiva do que organizações financeiras tradicionais, escreveu Armstrong, ao pedir urgência para que a linguagem de fiscalização fosse removida.

Invista em bitcoin com apoio dos assessores do maior banco de investimentos da América Latina

Texto traduzido e republicado com autorização da Coindesk

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também