Future of Money

Cidade no interior de SP lança primeira criptomoeda municipal do Brasil

Município de Santo Antônio da Alegria anunciou parceria com o blockchain Polkadot para lançar projeto de ativo digital

Tecnologia blockchain tem ganhado espaço no setor público brasileiro (Reprodução/Reprodução)

Tecnologia blockchain tem ganhado espaço no setor público brasileiro (Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2024 às 10h22.

O município de Santo Antônio da Alegria, localizado no interior de São Paulo, em parceria com as empresas C9 Tech, Tanssi, Polkadot e ICT Inova Brasil, anunciou na última terça-feira, 25, a criação da primeira criptomoeda municipal de uma cidade no Brasil.

Esse projeto também contou com o apoio da ABM (Associação Brasileira de Municípios) e da DINAMO Networks, mesma empresa que prove soluções de segurança para o Pix, por meio de seu "cofre digital" o Hardware Security Module (HSM).

A criptomoeda municipal, denominada “Alegria”, será implementada com uma solução integrada que inclui máquinas POS ou celulares com NFC para os estabelecimentos e um cartão físico com carteira Web3 integrada para os usuários, eliminando a necessidade de intermediários tradicionais, como bancos.

"Temos orgulho de liderar essa revolução no pagamento de benefícios sociais no Brasil. Com a tecnologia blockchain, podemos garantir mais transparência, segurança, eficiência e gestão, conectando diretamente o Estado com o cidadão", disse Thiago Chaves Ribeiro, CEO da C9 Tech.

O projeto terá início com o pagamento de vale-refeição aos funcionários do município de Santo Antônio da Alegria, com planos de expansão para incluir benefícios sociais para todos os cidadãos.

O Business Developer da Polkadot, Gabriel Bonugli destacou que o ecossistema da criptomoeda, para além da sua interoperabilidade, poderá oferecer à C9 uma série de tecnologias que fazem o produto dinâmico e adaptável para a conexão com a outras redes públicas e privadas, gerando maior valor agregado à todo o ecossistema.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Atualmente não há nenhuma lei que proíba ou libere os municípios a criarem suas próprias criptomoedas. No ano passado a Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 4476/23, que regulamenta a emissão de moedas sociais.

No entanto, o projeto aprovado destaca que as moeda sociais só podem ser emitidas se forem criptomoedas criadas em blockchain e autorizadas pelo Banco Central.

Além do uso de blockchain, o projeto, de autoria do ex-deputado Caio Vianna (PSD-RJ), pede que a emissão destas moedas sejam indexadas ao real

Segundo Vianna, o sucesso de uma moeda, inclusive o de uma moeda social, depende da confiança dos seus usuários. Ele justifica que se as pessoas acreditarem que o emissor da moeda social não será capaz de assegurar sua conversibilidade ou paridade, as pessoas tendem a perder o interesse em utilizá-la.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptoativosCriptomoedasBlockchain

Mais de Future of Money

MicroStrategy, maior detentora de bitcoin, anuncia desdobramento de ações nos EUA

Ethereum ronda maior nível de criptos "travadas" em staking, enquanto mercado espera ETFs

Token da associação de futebol da Argentina dispara 100% com seleção na final da Copa América

Trump vai participar de um dos maiores eventos do mercado cripto e reforça aproximação com setor

Mais na Exame