Future of Money

Analista aponta criptomoeda que será mais prejudicada pela Mt. Gox que o bitcoin

Corretora de criptomoedas começou a ressarcir clientes 10 anos após a falência, mas o movimento tem preocupado investidores

Mt. Gox declarou falência em 2014, quando liderava mercado de corretoras (Reprodução/Reprodução)

Mt. Gox declarou falência em 2014, quando liderava mercado de corretoras (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 5 de julho de 2024 às 16h44.

Última atualização em 5 de julho de 2024 às 17h54.

A confirmação nesta sexta-feira, 5, de que a Mt. Gox começou a ressarcir seus antigos clientes dez anos após declarar falência voltou a preocupar investidores, contribuindo para a continuidade da queda do bitcoin. Entretanto, outro ativo pode ser ainda mais prejudicado pelo movimento.

Peter Chung, diretor de pesquisa da empresa de análises Presto Labs, divulgou um relatório nesta semana em que avalia que o medo de investidores sobre uma forte pressão de venda do bitcoin com os pagamentos "não tem fundamentos", já que a moeda digital não terá grandes prejuízos.

Os dados reunidos pela empresa apontam, porém, que outra criptomoeda corre mais risco: a bitcoin cash. Segundo Chung, "nossa análise mostra que a pressão de venda para a bitcoin cash será quatro vezes maior que para o bitcoin. A nova oferta será equivalente a 24% do total de BCHs negociados diariamente, contra 6% do bitcoin".

A avaliação leva em conta o fato de a Mt. Gox não ter apenas pagamentos em bitcoin que precisarão ser feitos para seus clientes, mas também nesse outro ativo. E, no caso da bitcoin cash, há mais chances de os investidores decidirem se desfazer do ativo, que perdeu relevância no mercado.

Nesse cenário, haveria um aumento repentino efetivo na oferta da criptomoeda, abrindo margem para uma forte desvalorização. Na visão de Chung, a situação do bitcoin será diferente, com chances significativamente menores de vendas pelos ex-clientes da Mt. Gox.

No caso do bitcoin cash, ele acredita que os clientes tratarão o ressarcimento "como um airdrop", se referindo aos eventos de distribuição gratuita de ativos. E, tradicionalmente, os airdrops são seguidos de venda por parte dos beneficiados. "Os credores não ligam para a causa do bitcoin cash", destacou.

Com os temores sobre os impactos da Mt. Gox e outras influências negativas, o bitcoin acumula queda de 6,8% nos últimos sete dias, voltando a negociar na casa dos US$ 56 mil. Já o bitcoin cash tem uma perda ainda maior, de 16,1%, no mesmo período, segundo dados da plataforma CoinGecko.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

SEC autoriza lançamento de primeiros ETFs de Ethereum nos EUA

Investidores do bitcoin ainda não precificaram possível vitória de Trump, diz gestora

Bitcoin bate máxima histórica de preço em relação ao real, mesmo sem recorde em dólar

Bolsa de Chicago divulga data de estreia de ETFs de Ethereum nos EUA

Mais na Exame