Future of Money

Queda do bitcoin vai continuar? Criptomoeda chega a US$ 56 mil com temores sobre Mt. Gox

Maior criptomoeda do mercado entrou em tendência de queda em meio à forte pressão vendedora entre investidores

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 5 de julho de 2024 às 12h33.

Última atualização em 5 de julho de 2024 às 14h52.

O bitcoin mantém nesta sexta-feira, 5, o seu intenso movimento de queda observado nos últimos dias. Dados da plataforma CoinGecko apontam que a criptomoeda acumula perdas de 1,6% nas últimas 24 horas, cotado em US$ 56,3 mil, no nível de preço mais baixo dos últimos quatro meses. No acumulado dos últimos sete dias, a desvalorização é de 8,8%.

A queda da maior criptomoeda do mundo reverbera em todo o setor, que acumula perdas de 3,5% apenas nas últimas 24 horas. O ether, criptomoeda da Ethereum, também tem desempenho negativo na semana, despencando 13,8% nos últimos sete dias. Atualmente, o ativo está cotado abaixo dos US$ 3 mil.

Julio Andreoni, especialista em criptoativos do Bitybank, explica que o bitcoin "já vinha enfrentando uma queda essa semana devido à pressão de venda causada pelo confisco de mais de US$ 2 bilhões em bitcoins pelo governo alemão, cerca de 50 mil unidades do ativo". As unidades começaram a ser movimentadas pelas autoridades alemãs nos últimos dias, gerando temores sobre uma possível venda.

"Recentemente, o preço do bitcoin caiu ainda mais, atingindo menos de US$53 mil, seu nível mais baixo desde fevereiro, quebrando um suporte importante. A Mt. Gox, uma exchange falida, moveu 47.228 bitcoins, US$2,71 bilhões, para uma nova carteira, gerando preocupações no mercado", comenta.

Nesta sexta-feira, a corretora deu início ao seu programa de ressarcimento de clientes, que deverá se estender pelos próximos 90 dias. Ao todo, a exchange precisará transferir cerca de US$ 9 bilhões para esses investidores, que aguardam os pagamentos desde 2014, quando a falência foi decretada.

Andreoni avalia que "o mercado está em queda porque muitos temem que os credores vendam imediatamente esses ativos, aumentando a pressão de venda. Em 2014, quando a Mt. Gox foi hackeada, o bitcoin estava a US$600. Hoje, está em torno de US$55 mil".

"Com a liquidez baixa, o mercado pode ter dificuldades para absorver esse volume, resultando em mais quedas devido à especulação dos investidores. Então vemos que esses movimentos de pressão podem aumentar ainda mais, possivelmente caindo abaixo dos US$ 50 mil", projeta.

Mesmo com a queda, especialistas acreditam que a tendência para a criptomoeda ainda é de alta no médio e longo prazo. Lucas Josa, analista da Mynt, plataforma cripto do BTG Pactual, avalia que a queda tende a continuar nos próximos dias, criando oportunidades de compra, em especial nos patamares de US$ 48 mil, US$ 52 mil e US$ 55 mil.

Josa aponta que "apesar do momento de atenção no mercado cripto, ao olharmos de uma forma mais ampla para o cenário macro, é possível enxergar que a curva de juros dos EUA começa a precificar 2 cortes na taxa de juros do país até o fim do ano, que poderia atuar como um catalisador de alta para ativos de risco".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Investidor de criptomoeda meme de Biden perde US$ 8 milhões, mas "temporada de memecoins" persiste

Brasil recua R$ 9,5 milhões em investimentos de fundos de criptomoedas

SEC autoriza lançamento de primeiros ETFs de Ethereum nos EUA

Investidores do bitcoin ainda não precificaram possível vitória de Trump, diz gestora

Mais na Exame