Bulgari e outras marcas anunciam sua própria feira de relojoaria

Após cancelamento dos dois grandes salões do segmento, novo evento é marcado para fim de agosto

O segmento de alta relojoaria havia ficado órfão este ano. O surto de coronavírus fez os dois grandes salões do segmento serem cancelados. O Watches & Wonders, do grupo Richemont, que tem entre suas marcas Montblanc, Panerai e Cartier, aconteceria em Genebra no fim de abril. Na sequência viria Baseworld, na Basileia, também na Suíça, com marcas independentes como Rolex e Patek Philippe. Isso até a Bulgari e outras marcas anunciarem oficialmente hoje à tarde a realização do Geneva Watch Days.

O Geneva Watch Days está programado para 26 a 29 de agosto, quando espera-se que a propagação da Covid-19 esteja sob controle. Logo após o anúncio do cancelamento das duas grandes feiras, a Bulgari tomou a dianteira e anunciou a intenção de realizar o salão alternativo, junto com marcas como Breitling, Ulysse Nardin, Girard-Perregaux, Gerald Genta, Urwerk, H. Moser & Cie, De Bethune e MB&F, exatamente no fim de abril. Naquele momento, início de março, o surto ainda tinha uma escala pequena na Europa. Mas o cenário mudou e a realidade se impôs.

O Geneva Watch Days acontecerá em hotéis e boutiques de Genebra, conforme o projeto inicial. O objetivo é apresentar aos varejistas e à mídia as principais novidades da relojoaria, no melhor formato “see now, buy now, resell now”. Nesses eventos, os revendedores fazem os pedidos do ano, o que ajuda a indústria a calibrar a produção. A ideia é que as manufaturas e os varejistas recuperem impulso pelo menos durante os últimos meses do ano, período que geralmente corresponde a um forte pico de demanda do consumidor.

Além das marcas fundadoras, a organização do Geneva Watch Days espera que ao menos 15 a 20 marcas adicionais também façam parte do evento. Algumas negociações estão andando. Dessa forma, a ideia é tornar o Geneva Watch Days uma feira de relojoaria completa, totalmente apoiada pelas autoridades estaduais de Genebra. O programa de quatro dias incluirá principalmente reuniões privadas com os revendedores e jantares de relacionamento entre CEOs das marcas e veículos da imprensa.

A Bulgari tradicionalmente participava da Baseworld, mas em fevereiro, anunciou a saída da edição deste ano. “O adiamento permitirá ao evento ser mais seguro e, eventualmente, ter um formato maior e mais internacional, já que a Covid-19 está regredindo em países como China ou Coréia. Poderemos eventualmente atrair, além dos principais players europeus, uma importante clientela asiática”, afirmou em comunicado Jean-Christophe Babin, CEO da Bulgari. No ano passado a exportação da indústria relojoeira suíça bateu recorde e cresceu 2%, chegando a 22,2 bilhões de dólares. Cerca de metade desse valor corresponde à demanda chinesa.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.