ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Summit ESG: o papel do saneamento na redução da pobreza

Marco do Saneamento já começou a destravar investimentos e atrair o interesse do setor privado; desafios serão grandes, já que o Brasil está muito longe da meta de universalização, prevista para 2033

Paula Pacheco
Paula Pacheco

Jornalista

Publicado em 14 de junho de 2024 às 07h30.

yt thumbnail

No Brasil, 15,8% da população não tem acesso a água, 44,2% não contam com coleta de esgoto e apenas 51,2% do material gerado no país tem tratamento. Na prática, 32 milhões de pessoas não têm acesso a água potável e 90 milhões não dispõem de coleta de esgoto. A evolução é muito lenta. Em um ano, o tratamento de esgoto cresce apenas 1 ponto percentual (p.p.), como mostra o Ranking do Saneamento 2024, elaborado pelo Instituto Trata Brasil com o apoio da GO Associados

Já o estudo Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento Brasileiro 2022, feito pelo Trata Brasil e pela consultoria EX ANTE, calcula que a universalização do saneamento teria capacidade de reduzir em R$ 25,1 bilhões as despesas com saúde e ainda teria impacto no aumento da produtividade, com um acrescimento de renda estimado em R$ 22 bilhões até 2040. Segundo cálculos, trabalhadores que residem onde há acesso a saneamento básico têm ganhos 83% maiores do que aqueles que não contam com o mesmo tipo de serviço.

Marco do Saneamento: Jerson Kelman, conselheiro da EVOLTZ, IGUÁ e ORIZON, fala sobre universalização com Rodrigo Caetano

Marco do Saneamento: Jerson Kelman, conselheiro da EVOLTZ, IGUÁ e ORIZON, fala sobre universalização com Rodrigo Caetano (Reprodução)

O Summit ESG 2024, promovido pela Examea maior publicação de negócios do Brasil, trouxe estes problemas para o centro da discussão no painel "Infraestrutura Cidadã: o impacto do saneamento na redução da pobreza". Com a mediação de Rodrigo Caetano, editor de ESG da Exame, o encontro conta com a participação de Jerson Kelman, conselheiro da EVOLTZ, Iguá e Orizon. O painel faz parte da agenda do “Mês do ESG 2024”.

Depois de muito tempo fora das prioridades da pauta de infraestrutura - ao contrário, por exemplo, do setor elétrico, que chega a 99% da população, e é apontado como estratégico -, investidores e governantes passaram a olhar com mais confiança para projetos de água e esgoto.

O Marco do Saneamento de 2020 é a principal alavanca dos projetos que vêm sendo desenhados para o país, avalia Kelman. As regras preveem a universalização até 2033 e até 2040 em casos excepcionais.

A meta, para o especialista, é muito ousada. Para ele, como o Brasil está muito atrasado no setor, os objetivos deveriam ser mais realistas. O boa notícia, no entanto, é que, apesar de o marco ser relativamente recente, os investimentos já estão sendo feitos.

"Os desafios para água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos são enormes. Talvez o maior desafio no setor de infraestrutura no país seja que a classe política, na hora de inaugurar, tem interesse. Mas na hora de alocar recursos para manter funcionando o interesse diminui. Tão importante quanto fazer é manter", sintetiza Kelman.

Summit

Summit ESG da Exame é considerado o maior evento ESG da imprensa nacional e promove debates que refletem a cobertura constante da Exame sobre os principais temas sociais e ambientais de interesse global.

Neste ano, serão realizados 21 painéis, organizados em oito blocos temáticos. Os temas abordados serão: Cadeias de Produção Sustentáveis, Inclusão e Empoderamento Econômico, Transição para uma Economia de Baixo Carbono, Financiando a Transição, Bioeconomia e Agro Sustentável, Soluções para a Transição Energética, Economia Circular e Adaptação e Transição Justa.

A cada semana, dois blocos serão veiculados, sempre às terças e quintas. Cadastre-se aqui para conhecer os detalhes da programação.

Acompanhe tudo sobre:eventos-exameinfra-cidadãSaneamentoEsgotoÁguaInfraestrutura

Mais de ESG

Em Belém, investidores e startups se reúnem para promover negócios sustentáveis na Amazônia

Bromélia da Amazônia pode ser alternativa ao plástico do petróleo

Bruno Gagliasso é novo sócio da startup Mara, de alimentação a preço acessível

Redes de pesca, roupas e pneus: expedição quer identificar os microplásticos presentes nos oceanos

Mais na Exame