Para atingir a meta do Acordo de Paris, Brasil terá de cortar mais carbono

Observatório do Clima divulga os números mais recentes sobre as emissões do país. Desmatamento deve impactar negativamente os resultados

O Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG), iniciativa criada pela ONG Observatório do Clima que calcula as emissões de gases do efeito estufa no país, divulga novos dados nesta sexta-feira, 6. As informações servem de base para monitorar as metas estabelecidas da Política Nacional sobre Mudança do Clima e estimar o quanto falta para atingir os objetivos do Acordo de Paris. 

As melhores oportunidades podem estar nas empresas que fazem a diferença no mundo. Veja como com a EXAME Research

A expectativa é de uma piora nos indicadores, puxada pela alta no desmatamento. Este ano, dois dos biomas mais importantes do Brasil registram recordes de queimadas. No Pantanal, este já é o pior ano desde 1998, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) começou a registrar os focos ativos de fogo. Na Amazônia, o número de ocorrências entre janeiro e outubro já supera o total de 2019.

Para piorar, um estudo conduzido pelo Inpe mostra que os países amazônicos podem estar subestimando as emissões da floresta em 37%. O trabalho, publicado na revista Science Advances mostra que, entre 2001 e 2015, o desmatamento emitiu 9,3 bilhões de toneladas de CO2 (622 milhões de toneladas por ano). As bordas das florestas remanescentes emitiram 3,4 bilhões de toneladas (227 milhões de toneladas por ano).

O Brasil teve emissões médias de 500 milhões de toneladas de CO2 equivalente por ano devido ao desmatamento e de 151 milhões de toneladas por ano (30% do que foi emitido por desmate) pelo chamado “efeito de borda”.  O número é 50% maior do que as emissões de todo o transporte de passageiros no país em 2018, que foram de 100 milhões de toneladas de CO2.

A divulgação dos dados coincide com as eleições americanas, que podem provocar uma aceleração dos esforços de redução das emissões no mundo, caso Joe Biden seja eleito. Com o democrata na Casa Branca, a expectativa é de uma guinada completa na política ambiental dos Estados Unidos, que ficará mais parecido com a Europa de hoje do que com o país nos tempos da Guerra Fria, passado vangloriado por Donald Trump em seu saudosismo populista. 

O velho continente é o bloco que vem puxando a agenda da nova economia. Lançado durante a pandemia, o programa Green Deal prevê mais de 600 bilhões de euros em investimentos na economia de baixo carbono. A Europa também pressiona para regulamentar o artigo 6 do Acordo de Paris, que trata da criação de um mercado de carbono global. 

Biden já afirmou que, se eleito, colocará os EUA de volta no acordo. A desistência dos americanos, imposta por Trump, passou a valer, oficialmente, no dia seguinte à votação. O democrata terá de iniciar o processo de retorno quando assumir. Mesmo com um hiato de presença, a maior economia do mundo voltará a tempo de participar da próxima Conferência do Clima da ONU (COP), marcada para dezembro de 2021, em Glasgow, na Escócia. 

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.