Prévia da inflação desacelera para 0,59% em maio com energia mais barata

IPCA-15 teve desaceleração em maio, impactado pelo fim da bandeira de escassez hídrica. Já o acumulado em 12 meses ficou em 12,20%
Rede de transmissão de energia elétrica: inflação no IPCA-15 segue acima de 12% no acumulado, apesar de desaceleração em maio (Ueslei Marcelino/Reuters)
Rede de transmissão de energia elétrica: inflação no IPCA-15 segue acima de 12% no acumulado, apesar de desaceleração em maio (Ueslei Marcelino/Reuters)
Por Carolina RiveiraPublicado em 24/05/2022 09:08 | Última atualização em 24/05/2022 11:16Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação, teve alta de 0,59% em maio, a maior para o mês desde 2016. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No acumulado de 12 meses, a alta no IPCA-15 ficou em 12,20%.

O dado de maio veio acima da expectativa do mercado, que era de 0,45% para o IPCA-15 do mês.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Ainda assim, o IPCA-15 de maio ficou abaixo dos meses anteriores, mostrando alguma desaceleração da inflação após as altas sucessivas na taxa de juros promovidas pelo Banco Central.

Em março, o IPCA-15 foi de 0,95% e, em abril, acelerou para 1,73% (veja no gráfico abaixo). O índice de abril chegou a ser o maior para o mês desde 1995, no início do Plano Real.

O IPCA-15 é medido entre meados de cada mês, e serve como prévia para a inflação oficial, a ser divulgada após encerrado o mês. No IPCA-15 de maio, os preços foram coletados entre 14 de abril e 13 de maio.

Apesar da leve desaceleração, já é dado como certo que a inflação brasileira ficará acima do teto da meta do Banco Central, que era de 5% no começo do ano. A projeção em algumas casas do mercado é de que a inflação siga acima de 10% ao menos até o segundo semestre.

A inflação no Brasil superou dois dígitos em setembro do ano passado, e não caiu para baixo desse patamar desde então.

VEJA TAMBÉM: Petrobras desaba 3% em NY após governo pedir nova troca de presidente

O Brasil está também sob a maior taxa básica de juros, a Selic, desde fevereiro de 2017. Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em 5 de maio, a taxa de juros foi elevada em mais um ponto percentual, indo a 12,75%.

Algumas casas já apostam que o BC pode eventualmente ter de levar a Selic para perto dos 14% até o fim do ano em meio às pressões inflacionárias com a guerra na Ucrânia e alta das commodities no mercado internacional.

Energia mais barata, alimentos e combustíveis sobem menos

Oito dos nove grupos pesquisados pelo IBGE tiveram alta de preço no mês. A exceção foi o grupo "Habitação" (-3,85%), que inclui a energia elétrica.

Já os grupos "Alimentos e Bebidas" e "Transportes", grandes vilões da inflação neste ano, ainda tiveram alta, mas desaceleraram em relação a abril.

VEJA TAMBÉM: Gasolina pode ficar mais barata com 'novo ICMS'? Entenda a polêmica

Segundo o IBGE, um dos principais fatores que levaram à desaceleração da inflação em maio foi a mudança na bandeira da tarifa de energia elétrica, com o preço da energia elétrica residencial caindo 14% no período.

A bandeira verde passou a valer em 16 de abril, substituindo a bandeira de escassez hídrica, que estava em vigor desde setembro e aumentava o custo da conta de luz.

VEJA TAMBÉM: Petrobras: conselho e política de preços devem mudar

Do outro lado, combustíveis seguem entre as principais altas, embora com variações menores em maio do que em abril. O grupo "Transportes", que inclui os combustíveis, subiu 1,8%, contra 3,43% em abril.

  • A gasolina subiu 1,24% no IPCA-15 de maio;
  • A etanol subiu 7,79%;
  • Passagens aéreas subiram 18,4% em maio após já terem subido 9,43% em abril;
  • Táxis subiram quase 6% na média nacional, com reajuste das tarifas em São Paulo e Fortaleza.

O IPCA final de maio, no entanto, também deverá trazer nos combustíveis os primeiros impactos da alta anunciada da Petrobras para o diesel, de 9%.

a gasolina segue com preço congelado nas refinarias da Petrobras há mais de dois meses, sem reajuste em relação aos preços internacionais.

O grupo "Alimentos e Bebidas", que vinha tendo forte impacto na cesta de bens do IPCA nos primeiros meses do ano, desacelerou de 2,25% em abril para 1,52% em maio.

A frente de consumo no domicílio respondeu por boa parte da desaceleração:

  • Caíram de preço frutas (-2,47%), tomate (-11%) e cenoura (-16,19%), que haviam tido fortes altas nos meses anteriores;
  • Entre as maiores altas no mês estão o leite longa vida (7,99%) e a batata inglesa (16,78%).
  • Já alimentação fora do domicílio teve aumento maior de preço (de 0,28% em abril para 1,02% em maio).

No grupo "Saúde", a alta autorizada nos remédios também aparece entre os destaques do IPCA-15, com aumento médio de mais de 5% nos produtos farmacêuticos.

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, que regula os preços do setor, autorizou reajuste de quase 11% nos produtos, com base na inflação do ano passado. A alta dos remédios já havia aparecido como destaque no IPCA de abril.