• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Inflação de abril é de 1,06% no IPCA, a maior para o mês desde 1996

No acumulado dos 12 meses anteriores até abril, a inflação no IPCA foi de 12,13%. Alimentos, como tomate, leite e batata, e combustíveis lideraram altas
Posto de gasolina em São Paulo: combustíveis seguem entre os produtos que mais encareceram (Exame/Leandro Fonseca)
Posto de gasolina em São Paulo: combustíveis seguem entre os produtos que mais encareceram (Exame/Leandro Fonseca)
Por Carolina RiveiraPublicado em 11/05/2022 09:05 | Última atualização em 11/05/2022 14:39Tempo de Leitura: 6 min de leitura

A inflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal índice inflacionário brasileiro, fechou o mês de abril com variação de 1,06%, segundo divulgou nesta quarta-feira, 11, o IBGE.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Essa é a maior variação para um mês de abril desde 1996, em um período logo após a implementação do Plano Real. A inflação também segue muito acima dos patamares de 2021: em abril do ano passado, a alta havia sido de 0,31%.

No acumulado de 12 meses, a variação no IPCA foi de 12,13%.

As altas do mês foram puxadas sobretudo por alimentos e combustíveis. Juntos, os grupos de "Alimentos e Bebidas" e "Transportes" (que incluem os combustíveis) responderam por 80% do IPCA de abril, diz o IBGE.

LEIA TAMBÉM: Batata, leite, táxi, remédios: veja o que mais subiu de preço em abril

“Alimentos e transportes, que já haviam subido no mês anterior, continuaram em alta em abril", disse em nota o analista da pesquisa do IBGE, André Almeida.

A inflação mensal de abril desacelerou levemente em relação ao mês anterior, após a tendência de alta neste começo de ano:

  • Em janeiro, a inflação mensal foi de 0,54%, e o acumulado de 12 meses, de 10,38% na ocasião;
  • Em fevereiro, foi de 1,01% e 10,54% em 12 meses.
  • Em março, foi de 1,62% e 11,30% em 12 meses.

O INPC, índice que mede a inflação na cesta das famílias mais pobres (até cinco salários mínimos), ficou em 1,04% em abril, em linha com o IPCA geral. O acumulado em 12 meses do INPC foi maior, de 12,47%.

Quando a inflação deve cair?

Já é dado como certo que a inflação ficará acima do teto da meta do Banco Central, de 5%, apesar das altas na taxa de juros promovidas pelo BC.

A expectativa do mercado no último boletim Focus é de que o IPCA anual fique perto de 8% até o fim do ano, e, para chegar lá, tem de cair de forma mais consistente.

O cenário é desafiador: como a EXAME mostrou, a projeção em algumas casas do mercado é de que a inflação siga acima de 10% até o segundo semestre.

"Será difícil o processo de queda da mesma nos próximos meses. A inflação tem ficado resiliente acima de 10% desde o final do ano passado e ainda deve ficar nesse patamar até agosto pelo menos", escreveu em relatório nesta quarta-feira Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados.

A projeção da casa é acima do mercado, de inflação deste ano fechando em 8,7% (antes, a projeção era de 7,8%), e com possibilidade de o BC "eventualmente ter que levar a Selic para 14% ou mais".

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em 5 de maio, a taxa de juros foi elevada em mais um ponto percentual, indo a 12,75%.

VEJA TAMBÉM

Por outro lado, o IPCA de abril ficou em linha com as expectativas para o mês, que projetavam alta pouco acima de 12%, como de fato foi visto. Alguma desaceleração pode continuar nos próximos meses.

"Para maio, esperamos uma desaceleração maior do índice, para próximo de 0,3%, não somente pela continuação do impacto da redução na tarifa elétrica, mas também por uma desaceleração maior de alimentos e gasolina, seguindo o comportamento dos preços que já são observados no atacado", disse em nota a economista-chefe do banco Inter, Rafaela Vitória.

O que mais subiu de preço em abril

Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram alta no mês de março. 

No grupo "Alimentos e Bebidas" (alta de 2,06%), o consumo em domicílio teve variação novamente acima da inflação geral (2,59%).

Houve aumento de preço em itens importantes na cesta do consumidor, ressalta Almeida, do IBGE, como leite longa vida, batata, tomate, pão francês e carne.

  • A batata-inglesa subiu 18,28% só em abril;
  • O tomate subiu 10,18%;
  • O leite longa vida subiu mais de 10%;
  • O óleo de soja subiu 8,24%;
  • O pão francês subiu 4,52%;
  • E as carnes subiram 1,02%.

Já no grupo "Transportes" (1,91%), os combustíveis seguiram subindo. A alta da gasolina é importante por ser o subitem com mais peso na cesta do IPCA, enquanto a alta de combustíveis como o diesel impacta também os custos de logística e preços de outros produtos.

  • A gasolina subiu 2,48% em abril;
  • O etanol subiu 8,44%;
  • O óleo diesel subiu 4,74%.

Queda na energia elétrica

O grupo "Habitação" (-1,14%) foi o único com queda em abril, devido à redução nos preços da energia elétrica (-6,27%) com a mudança de bandeira tarifária. Desde setembro do ano passado, em meio às secas, estava em vigor a bandeira de escassez hídrica, que aumenta os custos da energia ao consumidor. A bandeira foi substituída pela verde no último dia 16 de abril, o que ajudou nos preços.

Por outro lado, ainda nos custos de habitação, as altas do gás trazem pressão importante. O gás de botijão subiu 3,32% em abril e o gás encanado, 1,38% (a média nacional foi puxada sobretudo por elevação da tarifa no Rio de Janeiro).

Esse último pode ter tarifas reajustadas em outras regiões nas próximas semanas após a Petrobras anunciar aumento de 19% em seus preços do gás natural no fim de abril, que deve se mostrar sobretudo a partir do IPCA de maio no gás encanado, além de impacto no gás veicular.

Já o gás de botijão usa o GLP, um derivado do petróleo, que não teve aumentos oficiais em abril (o último aumento nas refinarias da Petrobras havia sido em 11 de março, com posterior redução em abril). Mas o GLP também vem em alta com os preços no mercado internacional, uma vez que parte da oferta interna é suprida por importadores.

O preço médio do botijão de 13 quilos ficou em R$ 113,11 na última semana (até 7 de maio), segundo pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.