Economia

Aumento do diesel em 9% passa a valer hoje nas refinarias da Petrobras

Último aumento do diesel pela Petrobras havia sido em 11 de março. Alta é de 9% no preço do diesel nas refinarias da empresa

Posto de combustível: gasolina não foi reajustada pela Petrobras, mas está defasada em relação ao mercado internacional (Sergio Moraes/Reuters)

Posto de combustível: gasolina não foi reajustada pela Petrobras, mas está defasada em relação ao mercado internacional (Sergio Moraes/Reuters)

CR

Carolina Riveira

Publicado em 10 de maio de 2022 às 06h00.

Última atualização em 10 de maio de 2022 às 11h15.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O aumento da Petrobras no preço do óleo diesel em suas refinarias passa a valer a partir desta terça-feira, 10. O reajuste foi anunciado ontem, após dois meses sem que a estatal subisse os valores praticados.

O preço médio de venda do diesel para as distribuidoras da Petrobras subirá em 8,8%, de R$ 4,51 o litro para R$ 4,91 o litro.

Em nota sobre o aumento, a Petrobras mencionou "a elevação dos preços do diesel no mundo inteiro, com a valorização deste combustível muito acima da valorização do petróleo".

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Empresas no setor de transportadoras de cargas e caminhoneiros serão as principais afetadas, assim como empresas de transporte coletivo de passageiros. O aumento dos custos de logística também deve impactar indiretamente outros setores da economia e a inflação.

A última alta do diesel nas refinarias da Petrobras havia sido em 11 de março, quando o combustível subiu 25%.

Qual será o aumento do diesel?

O aumento do diesel da Petrobras vale somente para a venda em suas refinarias, que respondem por 70% do diesel vendido no Brasil. (O um terço restante é ofertado por outras refinarias privadas ou trazido ao país por importadoras a preços de mercado.)

Até que o insumo chegue aos postos, são adicionados outros fatores como preço do biodiesel (que compõe 10% do diesel final no Brasil), tributos, margem de lucro da cadeia e outros custos.

Assim, com os custos de produção hoje elevados em toda a cadeia, o aumento ao consumidor deve ser superior aos R$ 0,40 anunciados pela Petrobras. 

O valor do diesel praticado na bomba está em média R$ 6,630/litro, segundo a última pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), na semana até 7 de maio. Foram encontrados postos com diesel acima de R$ 8 o litro.

Na teoria, levaria alguns dias até que o novo diesel vendido mais caro nas refinarias chegasse ao consumidor. Mas os combustíveis têm passado por sucessivas altas em meio à volatilidade dos preços.

No acumulado de 12 meses até meados de abril, o preço final do diesel teve alta de 52% na métrica do IPCA-15 (prévia da inflação oficial), medido pelo IBGE.

VEJA TAMBÉM

O aumento de hoje também não cobre toda a defasagem do diesel em relação aos preços internacionais. A diferença chegou na abertura de mercado desta terça-feira a 10%, segundo relatório da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).

Antes do aumento, a defasagem estava ontem em 17%. Na semana passada, com a alta volatilidade, chegou a ser de 25%.

Sem um reajuste no mercado interno, corria-se o risco de importadores não conseguirem comprar diesel no mercado internacional a preços competitivos internamente, gerando possibilidade de desabastecimento.

"Isso significa que o equilíbrio de preços com o mercado é condição necessária para o adequado suprimento de toda a demanda, de forma natural, por muitos fornecedores que asseguram o abastecimento adequado", disse a Petrobras em nota.

Preço da gasolina vai subir?

Desta vez, somente o diesel foi reajustado.

Mas o preço da gasolina também terá de subir em breve para que a Petrobras mantenha a paridade com o mercado internacional. O preço da gasolina praticado nas refinarias no Brasil tinha defasagem de 19% no último relatório da Abicom na segunda-feira.

O último reajuste da Petrobras no preço da gasolina também foi em 11 de março, quando o combustível subiu 19%.

VEJA TAMBÉM

A alta dos combustíveis e seus impactos na inflação geral têm elevado a pressão na direção da Petrobras e do governo federal contra a PPI, Política de Paridade de Importação. O modelo faz com que os preços praticados pela Petrobras no Brasil acompanhem os do mercado internacional e é usado desde 2016, no então governo Michel Temer (MDB). A PPI foi mantida quando o presidente Jair Bolsonaro (PL) assumiu o cargo.

Na semana passada, Bolsonaro, que disputará a reeleição em outubro, disse em transmissão em suas redes sociais que um novo aumento no preço da Petrobras iria "quebrar o país" e classificou o lucro da empresa como um "estupro".

Petrobras teve lucro de R$ 44,6 bilhões no primeiro trimestre, divulgado na quinta-feira, 5. A estatal pagará aos acionistas, incluindo a União, dividendos totalizando R$ 48,5 bilhões (que incluem saldos acumulados do último trimestre).

"A Petrobras não é insensível à sociedade brasileira, principalmente, em momentos atípicos", respondeu o presidente da estatal, José Mauro Coelho, em conferência de resultados com analistas na sexta-feira, horas após a declaração de Bolsonaro.

O executivo afirmou que a estatal vem "acompanhando os preços de mercado, não repassando essa volatilidade de imediato". "Mas, claro, em determinado momento reajustes devem ser feitos para que a gente mantenha a saúde financeira da companhia", disse.


*A reportagem foi atualizada às 11h13 para incluir a defasagem calculada do diesel nesta terça-feira, 10. 

Acompanhe tudo sobre:CaminhoneirosExame HojeGasolinaÓleo dieselPetrobras

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame