Inflação deve seguir acima de 10% até agosto, diz Goldman; veja histórico

A prévia da inflação de abril no IPCA-15 veio abaixo do consenso do mercado. Mas as variações foram maiores do que nos meses anteriores, mostrando que as pressões inflacionárias seguem fortes
 (Leandro Fonseca/Exame)
(Leandro Fonseca/Exame)
Por Carolina RiveiraPublicado em 27/04/2022 13:06 | Última atualização em 29/04/2022 10:28Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A prévia da inflação em abril, medida pelo IPCA-15, veio levemente abaixo do consenso do mercado: a variação no mês ficou em 1,73%, enquanto o consenso era de 1,84%.

Ter a inflação abaixo da expectativa foi visto como boa notícia, uma vez que os índices haviam aparecido acima das projeções do mercado nos últimos meses. 

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Ainda assim, a inflação no Brasil seguirá alta ao menos até o segundo semestre, e a prévia de abril é mostra do cenário difícil, puxado por alimentos e combustíveis. O acumulado em 12 meses ficou em 12,03%, muito acima do acumulado do mês anterior (10,79%).

A inflação mensal no IPCA-15 também foi a maior para abril desde 1995, quando o Plano Real ainda começava a se consolidar.

"A inflação está agora não só muito alta, como altamente disseminada", escreveu o banco Goldman Sachs em relatório nesta quarta-feira, 27. A projeção da instituição é que o IPCA siga acima de 10% até agosto.

VEJA TAMBÉM

O IPCA-15 mede os preços entre meados do mês anterior e o mês em questão, e costuma caminhar lado a lado com a inflação definitiva, por isso é chamado de "prévia".

No caso de abril, os preços foram coletados entre 17 de março e 13 de abril, e comparados ao período anterior, entre 12 de fevereiro e 16 de março.

Abril foi, na prática, o primeiro mês em que as pressões inflacionárias decorrentes da guerra da Ucrânia se mostraram com mais força no mundo.

No Brasil, a queda momentânea do dólar em relação ao real não tem sido suficiente para atenuar as altas de preço (a moeda americana segue perto de R$ 5 na cotação atual, embora com risco de voltar a subir).

O Goldman aponta ainda que, nos próximos meses, pode haver um componente "inercial" de inflação, à medida em que contratos salariais, de imóveis e outros incorporam os aumentos do ano passado. Em 2021, mesmo antes da guerra, o IPCA já havia fechado o ano em 10,06%, uma das piores altas desde o Plano Real.

A inflação brasileira chegou aos dois dígitos em setembro do ano passado, e de lá nunca mais saiu (veja no gráfico abaixo).

A expectativa é que o IPCA termine o ano abaixo de 8%, segundo o boletim Focus divulgado nesta semana.

Mas as próprias projeções do mercado vêm subindo semana após semana, com pressões inflacionárias internas e externas sem dar trégua. O risco de que o país feche novamente o ano com IPCA perto de dois dígitos existe, apesar das altas sucessivas de juros do Banco Central.

A Selic está hoje em 11,75%, e novas altas são previstas para a próxima reunião do Copom, em 3 e 4 de maio.

Os combustíveis seguem sendo os principais vilões.

O grupo "Transportes" no IPCA, que inclui os combustíveis, subiu ao todo 3,43% só no mês de abril.

A gasolina, sozinha, subiu 7,51%, e foi o item que individualmente mais impactou a cesta do IPCA no mês. Diesel (13,11%) e etanol (6,60%) também tiveram fortes altas.

Na mesma linha, na frente "Habitação", o grande impacto veio do gás de botijão, que subiu sozinho 8,09% em abril. Em março, a Petrobras anunciou aumentos nos preços dos combustíveis e do GLP usado no gás de cozinha, o que se mostra nas altas ao consumidor, segundo o IBGE.

"A surpresa altista em relação à nossa projeção veio de “Habitação” e “Artigos de Residência”, que avançaram 1,73% e 0,94%, respectivamente, enquanto esperávamos 1,53% e 0,12%", escreveram analistas do banco Safra.

VEJA TAMBÉM

A frente de "Alimentação e bebidas" surpreendeu "para baixo", afirmam os analistas do banco, sobretudo na frente de alimentação fora de casa, que desacelerou.

O grupo, ao todo, subiu 2,25% em abril, enquanto o subgrupo de "tubérculos, raízes e legumes" liderou e subiu quase 15% no mês.

Os alimentos também devem seguir com preços altos, segundo as projeções, em meio a problemas na safra, desafio dos fertilizantes, alta global das commodities agrícolas (como grãos) e os custos de frete com o preço dos combustíveis.