Estados Unidos: FDA aprova Pfizer e Moderna para dose de reforço

A medida ainda precisa ser autorizada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que se reunirá ainda hoje
Dose de reforço: medida é mais nova etapa para proteção contra o coronavírus (AFP/AFP)
Dose de reforço: medida é mais nova etapa para proteção contra o coronavírus (AFP/AFP)
L
Laura Pancini

Publicado em 19/11/2021 às 11:28.

Última atualização em 19/11/2021 às 11:50.

A agência de saúde dos Estados Unidos, Food and Drug Administration (FDA), autorizou nesta sexta-feira, 19, o uso emergencial das vacinas contra o coronavírus da Moderna e da Pfizer/BioNTech para a dose de reforço em adultos com 18 anos ou mais.

A medida ainda precisa ser autorizada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que se reunirá ainda hoje, 19, para revisar os novos dados apresentados pela autoridade de saúde.

Tanto a Pfizer quanto a Moderna mostraram dados de que uma injeção adicional melhora a eficácia de suas vacinas em adultos.

A população deve esperar seis meses depois da segunda dose -- no Brasil, são apenas cinco -- para tomar a injeção de reforço. Aqueles que tomaram o imunizante da Janssen devem tomar uma segunda dose da farmacêutica dois meses após a primeira.

"Esta autorização de uso emergencial chega em um momento crítico, conforme entramos nos meses de inverno e enfrentamos um aumento no número de casos e hospitalizações em todo o país", disse Stephane Bacel, presidente-executivo da Moderna, em um comunicado de imprensa.

O tópico da dose de reforço nos Estados Unidos tem sido um pouco controverso. A FDA inicialmente rejeitou planos do governo Joe Biden de aplicar uma terceira dose em toda a população, mas o aumento de casos da doença no país (e em todo o mundo) levou a uma mudança de planos.

 

Dose de reforço no Brasil

A dose de reforço é a mais nova etapa para a proteção contra ocoronavírus. Tudo indica que, assim como o vírus da gripe, será necessário tomar uma dose extra da vacina com uma certa regularidade para manter a proteção da população alta e a circulação do vírus baixa.

No Brasil, aqueles com baixa imunidade ou idosos com mais de 70 anos já são elegíveis para a terceira dose e o Ministério da Saúde anunciou que, em breve, todos os brasileiros poderão tomar a injeção, desde que a última tenha sido tomada cinco meses antes. Até o momento, 8,40% da população +18 tomou a dose de reforço.

Em São Paulo, maiores de 18 anos que tomaram a segunda dose até 17 de junho já podem tomar a dose extra. Até aqueles que tomaram a dose única da Janssen precisarão se vacinar três vezes no total.

Por que é importante tomar a dose de reforço?

Apesar da alta eficácia das vacinas em prevenir mortes no Brasil, a média de mortes está abaixo de 300 faz duas semanas pesquisas científicas até agora indicam que a proteção dos anticorpos cai entre seis meses e um ano. 

Isso pode significar que os imunizantes da covid-19 funcionam de maneira semelhante ao do vírus da gripe, que conta com uma campanha anual de vacinação. Mantendo as taxas de proteção altas, o coronavírus irá circular menos e poderá  eventualmente se tornar tão inofensivo e comum quanto a gripe.

Por conta da dose de reforço, a idade média dos internados caiu de 69 para 59 anos nas últimas semanas no Brasil, e pesquisas científicas recentes indicam que ela vem se mostrando essencial para pacientes com câncer, por exemplo.

Qual vacina devo tomar na minha dose de reforço?

O Ministério da Saúde recomendou que seja administrada preferencialmente a vacina da Pfizer para a dose de reforço. Na falta de Pfizer, Janssen ou AstraZeneca também são recomendadas. Os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro também estão aplicando CoronaVac como dose extra.

A decisão se baseia nos resultados de estudo da Universidade de Oxford, encomendado pela pasta, que mostra que a vacinação heteróloga, isto é, com imunizantes de laboratórios diferentes, aumenta a resposta imune.