Com vacinas, covid-19 pode se transformar em resfriado leve e comum

Estudo realizado nos Estados Unidos aponta que o vírus Sars-CoV-2 poderá infectar somente crianças com menos de cinco anos no futuro. Sintomas seriam leves

A infecção do vírus Sars-CoV-2, da covid-19, pode se tornar um resfriado considerado “leve” dentro da próxima década. Isso é o que estima uma pesquisa publicada recentemente na revista científica Science. Vale destacar que outros tipos de coronavírus já trilharam este caminho e se tornaram comuns nos dias de hoje.

Para chegar nesta conclusão, Jennie Lavine, pesquisadora da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, desenvolveu um modelo matemático que permite a comparação de seis tipos de coronavírus, além do vírus Sars-CoV-2. São quatro vírus já considerados comuns e endêmicos e os vírus Mers e Sars, que causaram surtos nos últimos anos e causaram sintomas graves nos infectados.

Ao que os resultados apontam, o novo coronavírus, que já matou mais de 200 mil pessoas no Brasil, obteve resultados semelhantes ao do primeiro grupo, de vírus endêmicos, em relação a uma previsão de diminuição de letalidade. Isso, porém, somente se as campanhas de vacinação forem realizadas normalmente, já que o imunizante é a peça-chave para controlar a doença.

Lavine ainda explica que que os adultos imunizados contra a doença, os pacientes infectados com o vírus Sars-CoV-2 devem ser crianças de até cinco anos de idade. Neste caso, porém, dificilmente veríamos sintomas graves da doença, como ocorre quando um paciente do grupo de risco é diagnosticado com covid-19.

Por isso, Lavine acredita que os sintomas seriam semelhantes ao de um resfriado comum. Desta forma, o tratamento é mais simples e dificilmente vai exigir a internação em hospitais ou o uso de equipamentos como respiradores e tanques de oxigênio.

"O quanto vai demorar para chegarmos a esse estado endêmico depende de quão rápido o vírus vai se espalhar e de quão rápido será possível vacinar as pessoas”, disse Lavine ao The New York Times. A pesquisadora ainda afirmou que é importante que as pessoas tomem pelo menos a primeira dose da vacina “o mais rápido possível”.

Vale destacar, porém, que virologistas brasileiros consultados pela EXAME já opinaram sobre a vacinação em somente uma dose. De acordo com os especialistas, a falta de uma segunda aplicação de um fármaco para a proteção contra o vírus Sars-CoV-2 pode comprometer seriamente a imunização, já que o organismo não estaria totalmente protegido com apenas uma dose.

“Se o indivíduo toma a primeira dose da vacina, mas não toma a segunda, ele corre o risco de não desenvolver uma resposta imunológica contra aquele agente agressor”, diz Raphael Rangel, virologista e coordenador do curso de biomedicina do Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação. “A primeira dose prepara o sistema imunológico e a segunda aumenta o potencial imunológico para a defesa contra aquele agente agressor.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.