Carreira

Itália oficializa visto para nômades digitais; veja regras e como funciona

O documento é válido por um ano e pode ser renovado; família também pode ser incluída

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de abril de 2024 às 13h44.

A Itália oficialmente está recebendo de braços abertos os profissionais que viajam pelo mundo, os chamados "nômades digitais".

Segundo o Business Insider, o visto para esse tipo de funcionário entrou em vigor no país na semana passada depois de ser discutido pelos parlamentares italianos por anos. Ele é destinado a trabalhadores remotos que querem passar algum tempo vivendo no popular destino europeu.

O governo italiano define nômades digitais como cidadãos não pertencentes à União Europeia ou à Suíça que são altamente qualificados, segundo a Euronews. Eles devem ser capazes de trabalhar remotamente, seja como autônomos ou em colaboração com ou como funcionários de uma empresa.

Os solicitantes de visto devem ganhar três vezes o nível mínimo exigido para isenção de participação nos custos de assistência médica. Isso equivale a pouco menos de € 28.000 por ano ou cerca de US$ 30.400.

Outros requisitos incluem cobertura de seguro de saúde para a duração da estadia, comprovante de moradia. Os candidatos terão que mostrar que foram trabalhadores remotos em outro lugar por pelo menos seis meses ou nômades digitais pelo mesmo período de tempo.

E embora o visto de nômade digital seja válido por apenas um ano, ele pode ser renovado - e a família do funcionário pode ser incluída.

Esse é o mais recente esforço da Itália para incentivar o crescimento econômico. Há algum tempo, algumas cidades italianas envelhecidas têm oferecido casas ao preço simbólico de um euro para conter o esvaziamento da população. O negócio atraiu a atenção de estrangeiros.

Ainda assim, em outras partes da Europa, vários países estão revertendo seus "vistos dourados", que antes permitiam que pessoas de fora obtivessem autorizações de residência após investirem mais de US$ 500.000 em imóveis.

Acompanhe tudo sobre:ItáliaTeletrabalho

Mais de Carreira

Os países mais procurados por brasileiros para estudar e trabalhar, segundo a Belta

24 milhões de empregos até 2030: mercado trilionário cresce, mas com poucos talentos qualificados

“Por que devo te contratar?”: como responder a essa pergunta na entrevista de emprego

O que é ponto facultativo e quem tem direito?

Mais na Exame