Casual

Turistas serão obrigados a fazer cadastro e pagar taxa para visitar Veneza, na Itália

Autoridades locais buscam preservar a cidade se planejando para receber visitantes

Veneza: visitantes da parte histórica de Veneza terão que pagar 5 euros, cerca de R$ 27 (Danny Lehman/Getty Images)

Veneza: visitantes da parte histórica de Veneza terão que pagar 5 euros, cerca de R$ 27 (Danny Lehman/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 8 de abril de 2024 às 12h36.

Nos seus dias mais movimentados, Veneza enche-se de turistas que entopem as ruas estreitas da cidade, deixam para trás pilhas de lixo e muitas vezes frustram os habitantes locais. Portanto, a cidade está reagindo. A partir de 25 de abril e por mais 29 dias, distribuídos principalmente em feriados nacionais e fins de semana até meados de julho, os visitantes da parte histórica de Veneza terão que pagar 5 euros, cerca de R$ 27.

As autoridades municipais esperam que a medida incentive as pessoas a visitar a cidade em dias e horários menos movimentados. Todos os visitantes de Veneza também terão de registar a sua presença na cidade nos dias especificados, preenchendo um formulário online que ajudará as autoridades a avaliar quantos turistas esperar e a traçar estratégias sobre como lidar com eles.

“Não se trata de ganhar dinheiro – os custos da operação são mais elevados do que aquilo que vamos ganhar”, disse o presidente da Câmara, Luigi Brugnaro, aos jornalistas na quinta-feira, enquanto as autoridades venezianas iniciavam uma campanha publicitária global.

Em vez disso, disse Michele Zuin, responsável municipal pelo orçamento e economia, o objetivo é “gerir melhor o número de turistas e desincentivar o turismo de massa, que é o que cria, digamos, a dificuldade de viver nesta cidade”.

Os visitantes que pernoitam em Veneza não terão de pagar a taxa, nem aqueles que viajarem para trabalhar, visitar familiares ou estudar. Qualquer pessoa nascida na cidade também está isenta, assim como menores de 14 anos. Segundo Brugnaro, também não haverá limite para o número de visitantes permitidos.

Erguendo-se de forma improvável das águas da lagoa veneziana, a cidade é tão delicada quanto bela e, nas últimas décadas, tem lutado para proteger uma singularidade que está ameaçada pelas alterações climáticas e pela subida dos mares, bem como pelo turismo de massa.

Para contrariar essa erosão figurativa e literal, a cidade instalou portões gigantes em quatro bocas da lagoa para impedir a entrada de água do mar e os pavimentos secos, e proibiu a entrada de navios de cruzeiro nos canais interiores. Esses esforços ajudaram a manter Veneza fora da lista de “Patrimônio Mundial em Perigo”, da UNESCO, mesmo depois de especialistas da agência terem levantado preocupações no ano passado de que a Itália não tinha feito o suficiente para proteger a cidade.

De 1976 até este ano, a Itália atribuiu fundos para ajudar a salvaguardar Veneza e, nesta quinta-feira, Brugnaro repreendeu o governo central do país por não renovar esse financiamento. Ele disse ter pedido ao governo 1,5 mil milhões de euros para os próximos 10 anos "para ajudar a preservar uma cidade com um patrimônio único que requer manutenção contínua". "Precisamos desse financiamento", destacou.

Ocasionalmente, os dias têm sido tão ocupados com turistas que a cidade teve que limitar algumas ruas ao tráfego de pedestres de mão única. Simone Venturini, responsável municipal pelo turismo, disse sobre as novas medidas: "Seremos a primeira cidade do mundo a saber exatamente quantos turistas virão a Veneza naquele dia — sejam isentos ou pagantes, têm de se registar."

Após o cadastro no site, o visitante receberá um código QR — válido das 8h30 às 16h — que deverá apresentar ao entrar na cidade em pontos como a estação ferroviária, a Piazzale Roma, o estacionamento municipal, alguns locais à beira-mar e a Praça de São Marcos. Haverá também fiscalizações em toda a cidade.

Por enquanto, qualquer pessoa que chegue a Veneza sem um código QR poderá comprá-lo no último minuto, seja em um smartphone ou em quiosques montados que levam aos pontos de acesso, disseram as autoridades. Os transgressores enfrentarão multas de 50 a 300 euros, mais uma taxa de 10 euros, disse Zuin.

A iniciativa está sendo introduzida em caráter experimental para que as autoridades municipais possam ver se o sistema funciona e como pode ser melhorado, afirmou ela. No futuro, a taxa de entrada poderá ser calibrada – “uma escala móvel de preços”, disse o prefeito Brugnaro – dependendo do dia.

"Pedimos colaboração”, pontuou Brugnaro, acrescentando que os dados acumulados durante os 29 dias seriam tornados públicos. Ele disse que autoridades de outras cidades ao redor do mundo contataram sua administração para saber mais sobre o sistema de acesso. Até agora, mais de 50 mil pessoas registaram-se através do site – cerca de um terço delas pagando por visitas de um dia, segundo as autoridades.

"O mundo inteiro quer vir para Veneza”, disse Venturini no lançamento da campanha publicitária, que incluía uma mensagem em vídeo do prefeito falando em vários idiomas usando tradução de fala gerada por inteligência artificial. No vídeo, o prefeito Brugnaro pede desculpas por qualquer inconveniente que o novo sistema possa criar. Mas, ressaltou: “a cidade tem que ser protegida”.

Acompanhe tudo sobre:VenezaItáliaTurismo

Mais de Casual

Hora do almoço: 8 menus executivos por até R$ 80 no bairro de Pinheiros, em SP

Conheça o iate híbrido e com materiais sustentáveis que reduz as emissões de CO2

Museus chineses atraem 1,29 bilhão de visitantes por ano

Moda e performance: a On lança roupas e calçados em colaboração com a Loewe

Mais na Exame