Pandemia antecipa modelo híbrido e mais customizado na educação

Aulas no novo modelo não podem ser reprodução do antigo paradigma, nem transposição da lousa para a teleconferência

A pandemia obrigou o mundo a uma inflexão.

De um modo ou de outro, cada um de nós foi impactado, e todos aprendemos a viver de uma forma diferente.

Uma das mudanças irremediáveis está no modelo educacional. Não seria exagero afirmar que as circunstâncias forçaram uma grande mudança na maneira de se pensar o ensino. Desde sua concepção, o modelo educacional consistia em um professor de frente para uma sala repleta de alunos sentados.

Com os protocolos sanitários, a ruptura foi radical. As instituições de ensino – especialmente as do setor privado – correram contra o tempo para implementar, no menor tempo possível, as aulas remotas. Em questão de semanas, docentes e discentes passaram a ficar distantes fisicamente, mas lado a lado em um ensino síncrono, que seguia a mesma rotina e horários, com os mesmos colegas de sala e professores.

Para isso, colaborou na adoção do home office, influenciando uma nova cultura. Ficou evidente que, se é possível ser produtivo trabalhando em casa, o mesmo poderia valer para o estudo.

Obviamente, ninguém estava preparado para esse cenário.

Aqui e ali, houve dificuldades de adaptação, ajustes de lado a lado. Mas, muitas vezes, são as excepcionalidades que precipitam as transformações profundas. E o que se percebeu é que, nesse ambiente, a aula não deve ser uma reprodução de um paradigma antigo. Não pode ser uma transposição da lousa para a videoconferência. Não se trata de um telecurso via notebook. Até mesmo porque ninguém mais tem paciência para participar de atividades unilaterais e não interativas de longa duração.

O novo ensino digital é múltiplo – uma breve exposição do professor é seguida de pílulas de vídeo orientativas. Daí o aluno lê um texto, vai para um exercício, faz uma pesquisa, responde a um quiz, volta para a aula com o professor ao vivo. Como diz uma letra dos Titãs, uma coisa de cada vez, tudo ao mesmo tempo agora.

Na Ser Educacional, nossa visão desse “novo normal” da educação é pautada por uma matriz curricular que permita a cada aluno adotar sua trilha de aprendizado.

Em vez de nivelar pela média da turma, a nova matriz terá suporte de ferramentas de inteligência artificial para que o estudante possa explorar plenamente sua capacidade, em seu próprio ritmo.

Ele avançará na medida que cumpra etapas predeterminadas. A própria ferramenta indica novas atividades, de acordo com os interesses e necessidades individuais, dos alunos e do mercado de trabalho no qual ele será inserido, formando assim profissionais adaptados às necessidades imediatas de sua área, de sua empresa, ou dos desejos pessoais dos alunos. É o que chamo de massificação customizada da educação. Evidentemente, as aulas presenciais seguirão importantes. Esse contato, quando as condições sanitárias assim permitirem, ainda será insubstituível para algumas atividades.

É por isso que planejamos, em nosso contínuo processo de expansão, a implementação de cinco unidades digitais, que ofertarão cursos híbridos e 100% online. Também está no projeto a abertura de dezenas de polos de ensino a distância a cada ano, dedicados à oferta de cursos online. A tendência é instalar campi digitais em shopping centers, proporcionando a possibilidade de atividades que exigem uma abordagem presencial.

A transformação já começou. Neste semestre, mais de 50% da captação de novos alunos da Ser Educacional já é de alunos de EAD – um sinal do crescente interesse da comunidade por essa modalidade.

É, ainda, uma mostra de como a educação seguirá relevante. Mesmo em um cenário de imenso desemprego, o mercado de trabalho está sedento por profissionais qualificados, capazes de fazer a diferença nas organizações.

Com o ensino híbrido, mesmo no pós-pandemia, o ensino privado terá plenas condições de contribuir significativamente para a formação de gente apta a enfrentar esses tempos desafiadores.

E uma coisa é certa: só com investimento em educação será possível construir os alicerces para um esperado crescimento econômico sustentável.

* Jânyo Diniz é CEO do grupo SER Educacional. É formado em Engenharia Mecânica, com pós-graduação em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e mestre em administração pela Universidade da Amazônia.

Assine os Boletins da Bússola

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube

Mais da Bússola:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também