Bússola

Um conteúdo Bússola

Joel Jota: A saúde é um dos pilares principais para a performance

Estudos mostram que pessoas de alta performance têm até 40% a mais de chances de praticar mais exercícios físicos que pessoas de baixa performance

Saia da sua zona de conforto (iStock/Getty Images)

Saia da sua zona de conforto (iStock/Getty Images)

Joel Jota
Joel Jota

Colunista Bússola

Publicado em 14 de fevereiro de 2023 às 11h00.

Última atualização em 13 de outubro de 2023 às 20h30.

Recentemente, fiz uma pesquisa em uma das minhas bases de clientes para avaliar a relação da Síndrome de Burnout com o sedentarismo. O meu objetivo foi avaliar como o distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico tem relação com a falta de prática de atividade física, partindo para um olhar científico na performance e visando trabalhar o impacto que a saúde mental tem em todas as áreas da nossa vida.

Foi aplicado o Questionário para Identificação Preliminar da Burnout, elaborado e adaptado por Jbeili, inspirado no Maslach Burnout Inventory (MBI), em 269 clientes e observei que 102 indivíduos (37,92%) apresentaram possibilidade de desenvolvimento; 99 pessoas (36,80%) estavam na fase inicial; 45 pessoas (16,73%) com início de instalação; e a fase considerável foi observada em 23 pessoas (8,55%).

Ou seja, 100% das respostas tiveram relação com burnout, desde a possibilidade de desenvolver o distúrbio até ele estar instalado em fase considerável.

Ao mesmo tempo que o resultado da pesquisa me espantou, ele também provou o que meu mindset de atleta pensa e é isso que quero compartilhar com você.

Quando uma pessoa faz atividade física, não é apenas o corpo dela que melhora a performance, a parte emocional também performa melhor. Ou seja, um corpo em forma permite ter uma mente em forma e um emocional mais estável. Isso significa que quando você está em dia com a sua saúde, consegue melhorar mais o seu "eu" e o "nós", tendo mais performance individual e social, além de mais disposição e energia para as suas atividades, diminuindo as chances de desenvolver o distúrbio em níveis mais graves. Você começa a sentir a energia se expandindo para o intelectual, começa a buscar por conhecimento e acaba por ver esse resultado positivo até na sua vida financeira.

Além da prática de exercício físico, um outro aliado da nossa saúde para prevenir síndromes como o Burnout, é o sono.

Que dormir bem aumenta a performance, todos sabem, mas quero trazer aqui uma autoanálise bem importante e que pode ser o primeiro passo para melhorar a sua saúde.

Meia-noite você começa a ter mais produção de melatonina, você entra em sono profundo e a temperatura fica mais baixa; seis horas da manhã seu corpo já começa a acordar e é o fim da melatonina. Por volta do meio-dia, você começa a ter mais força e concentração; em torno das seis horas da tarde é quando a sua temperatura é mais elevada e você tem uma maior pressão sanguínea. Esse é o ciclo circadiano básico. Mas, é claro que não funciona assim para todas as pessoas, pois cada um possui um perfil biológico de sono.

O psicólogo Michael Breus, defende que cada pessoa tem um relógio biológico, baseado no comportamento de quatro animais: o golfinho, o leão, o lobo e o urso.

Os quatro perfis e respectiva proporção na população são:

Ursos

50 a 55% extrovertidos com energia e que tendem a dormir muito;

Leões

15% rigorosos, regidos pela manhã e que precisam de uma quantidade média de sono;

Lobos

15 a 20% viciados em café, que ficam acordados até tarde;

Golfinhos

10% insones, ansiosos e com sono leve.

Segundo Breus, todo mundo tem um relógio biológico, que define o nível de energia para cada atividade a cada momento do dia. Como exemplo, algumas pessoas são mais produtivas durante a manhã do que à noite e vice-versa. Segundo ele, conhecer o seu chronotype ajudará a escolher quando fazer cada atividade, como estudar, se exercitar, realizar reuniões, criar, trabalhar, etc.

Um ser mais enérgico pensa melhor, trabalha melhor, age melhor e, consequentemente, atinge uma performance melhor. Mas tem um ponto importante: quando você tenta dar um pulo de A para B, você pode cair no ponto C, que é o vale dos desesperados. Com isso, você fica irritado, desmotivado, e vai voltando para o ponto A para pegar novo impulso e tentar de novo. Depois de um tempo sem conseguir, você aceita ser mediano.

A verdade é que você tem que aceitar que não existe sucesso da noite para o dia. O que vai te tirar da zona de conforto é a vontade de ter o que não tem, ser quem não é (desejo ardente) ou uma dor insuportável. O que você escolhe quando ainda tem a chance? Seja a pessoa que constrói tijolo por tijolo. E ter saúde, permite que você construa um prédio inteiro.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Com troco arredondado, Burger King e Popeyes arrecadam R$ 1 mi em doações

App para controlar mesada dos filhos atinge 400 mil downloads em 10 meses

Porto Saúde expande parceria com Klivo para atender pacientes com diabetes

Acompanhe tudo sobre:LiderançaSaúdeEsportesqualidade-de-vida

Mais de Bússola

Isabela Basso: quando falamos de greenwashing, sua empresa é parte do problema ou da solução?

CEO da BAT defende que regulamentação de cigarros eletrônicos ajudará no combate à ilegalidade

Fintech lança primeira conta digital para fazer apostas online

Karine Silveira: o que a Fórmula 1 nos ensina sobre liderança corporativa?

Mais na Exame