• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Coronavírus: o recado que vem da Europa

Diretor do Instituto FSB Pesquisa analisa as estatísticas de Covid no Brasil e compara com a situação de países europeus que enfrentam uma 2ª onda
 (Reuters/Manuel Silvestri)
(Reuters/Manuel Silvestri)
Por Marcelo Tokarski*Publicado em 09/11/2020 15:38 | Última atualização em 11/11/2020 16:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Brasil tem hoje uma média móvel diária de 332 mortes por covid-19. O índice, que vem caindo rapidamente (48% nas duas últimas semanas), representa apenas 1/3 do patamar de 1.000 mortes diárias registradas ao longo de quase três meses, do início de junho ao fim de agosto. A primeira onda de Covid-19 ainda não acabou por aqui, mas sua força vem diminuindo a passos largos.

Seus investimentos estão prontos para uma segunda onda? Descubra a estratégia da renda em dobro para receber a sua aposentadoria ainda trabalhando

Esse alento trazido pelas estatísticas não deve tirar do foco as medidas de prevenção, como distanciamento social, uso de máscara e álcool gel e maiores cuidados com os grupos de risco, como pessoas acima de 60 anos e portadores de comorbidades como diabetes, obesidade e hipertensão.

Isso porque há claros sinais de uma segunda onda na Europa, que, com a melhora dos números, havia relaxado e muito as medidas de prevenção. Em alguns países, o uso de máscara chegou a deixar de ser obrigatório.

Vale lembrar ainda que, em termos cronológicos, a Europa sempre esteve à frente nos estágios da pandemia. Por lá, o coronavírus começou a matar pouco mais de um mês antes do primeiro óbito ocorrido no Brasil, em 17 de março. Com isso, a primeira onda perdeu força lá primeiro, enquanto por aqui assistíamos à escalada da pandemia. Agora, enquanto desaceleramos, a Europa vê suas estatísticas piorarem drasticamente.

A França já tem hoje uma média móvel de quase 500 mortes diárias (489/dia). Na Espanha, são 422/dia. Na Itália, 367/dia. No Reino Unido, 332/dia. Todos em um patamar igual ou superior ao brasileiro. Hoje, só Estados Unidos (939/dia) e Índia (572/dia) têm médias móveis de 7 dias superiores às de alguns países europeus.

O recrudescimento da pandemia de Covid-19 no velho continente levou diversos países a retomarem medidas restritivas, incluindo lockdowns parciais e outras restrições de circulação na França, Inglaterra, Itália, Alemanha, Espanha, Irlanda, Grécia e Polônia. O que já vem, inclusive, provocando abalos na economia global.

Momentos distintos

No Brasil, o movimento vai justamente na direção oposta. Com a atual queda no número de casos e de mortes, o que temos visto são ruas cheias, pessoas em bares e restaurantes sem o devido distanciamento social, muita gente sem máscara e até aglomerações. Com a proximidade de dezembro, quando começa o período de férias, a tendência é que a circulação interestadual aumente, o que pode voltar a espalhar o vírus em maior velocidade.

Soma-se a isso um outro componente: nesta segunda onda de Covid-19 na Europa, a população está mais reticente em cumprir as medidas determinadas pelos governos. O que é natural, devido ao desgaste provocado pelo primeiro longo período de confinamento, mas que torna a situação ainda mais delicada do ponto de vista sanitário.

É de se esperar que a eventual necessidade de se adotar novamente medidas para restringir a circulação por aqui provavelmente também geraria muito atrito perante a opinião pública. Ainda mais em um país onde a polarização política influenciou diretamente o combate ao coronavírus. É cedo para dizer quando a segunda onda começará no Brasil. Mas é difícil imaginar que ela não dará as caras por aqui.

*Sócio-diretor do Instituto FSB Pesquisa

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube