Bússola
Um conteúdo Bússola

Como fazer gestão da marca pessoal e atingir performance de líder

Uma marca pessoal forte precisa ter clareza e propósito, e um líder que tem essas definições claras pode alcançar squad de alta performance

Transparência e autenticidade também são inerentes a um líder inspirador. (oatawa/iStockphoto)

Transparência e autenticidade também são inerentes a um líder inspirador. (oatawa/iStockphoto)

B

Bússola

Publicado em 3 de dezembro de 2021 às 15h10.

Por Dani Amorim e Karla Giacomet*

Marcas são ativos únicos. Sejam corporativas ou pessoais, destacam-se aquelas que são fortes, capazes de serem memoráveis e comunicarem propósitos. A diferença que cabe aqui é que as marcas corporativas, de forma geral, já conhecem os benefícios de serem muito bem trabalhadas e fortalecidas, enquanto as marcas pessoais ainda não. Quando trazemos esta realidade para o ambiente das empresas, pode parecer que a marca corporativa seja mais relevante, à primeira vista. Mas como garantir que os líderes de sua organização sejam inspiradores e motivem a equipe aos resultados sem que tenham marcas pessoais bem posicionadas?

O tema marca pessoal ainda é bastante novo. O potencial de trabalho junto a diversos perfis profissionais, de diferentes segmentos de atuação, é infinito. Mas, especialmente para as lideranças nas empresas, a gestão da marca pessoal adquire um caráter fundamental.

Uma marca pessoal forte precisa ter clareza, verdade e propósito. Em qualquer ambiente, e principalmente no corporativo, ela deve comunicar quem somos, o que fazemos, para quem fazemos, como fazemos e por que fazemos. Um líder que tem essas definições claras, está muito mais próximo de formar um squad de alta performance. A partir do momento em que entende seus pontos fortes, consegue valorizar os pontos fortes de outros talentos, se conectando a cada integrante de seu time. Essa conexão é o que irá trazer a equipe para perto, engajando à ação para um sentido comum.

Já sabemos que relações de trabalho de alta performance têm como base o alinhamento entre o propósito da organização e de seus colaboradores. Um líder com consciência sobre a sua marca pessoal também consegue atuar nesta ponte. A partir do momento em que seu próprio propósito está em sintonia com o da empresa, pode auxiliar a equipe na identificação de valores e propósitos também comuns com a companhia. E é no momento em que esta sinergia se estabelece que a produtividade e o bem-estar do time automaticamente aumentam.

Transparência e autenticidade também são inerentes a um líder inspirador, que entre outras características, deve motivar à ação pela forma como se comunica por meio da linguagem verbal e não-verbal. A autenticidade que aflora nesse processo traz junto a melhoria da autoconfiança, o entendimento sobre a influência de sua credibilidade e a percepção adequada de acessibilidade para o seu contexto. Enxergar pontos de melhoria em sua própria postura é outro ganho, para que dê mais abertura e valorize os profissionais de sua equipe que tenham as características que lhe faltam. Afinal, um bom time é composto por profissionais de diferentes perfis, que se complementam e fortalecem.

Nesta discussão, cabe lembrar que marca pessoal não é marketing pessoal. Estes dois temas tratam da comunicação de nossas características mais positivas, mas de formas diferentes e complementares. A marca pessoal se concentra no estudo da autoimagem e da imagem percebida. Entender qual é a sua marca e estudá-la profundamente, assim como sua essência, pontos fortes e os valores que regem suas decisões e propósitos deveria ser sempre o primeiro passo. O marketing pessoal é sempre uma etapa posterior, focada em dar visibilidade a essa marca, com ferramentas específicas.

O líder que se conhece, que sabe como é percebido pelos outros e confia em seus talentos é mais empático na gestão do time e mais direcionado a extrair o que cada um faz de melhor. Além de contribuir com a sua confiança na forma de se posicionar profissionalmente, a gestão de sua marca pessoal pode se tornar inspiracional e impulsionar o time à conquista de resultados e novos objetivos.

*Dani Amorim e Karla Giacomet são consultoras de imagem e marca pessoal e sócias da KD Imagem e Marca Pessoal

 

Acompanhe tudo sobre:ComunicaçãoLiderança

Mais de Bússola

Inter e Programadores do Amanhã se unem para formar jovens na área de TI 

36 mil estudantes de 62 escolas públicas são beneficiados por internet fibra

Alinhamento político impulsiona transformação do Amapá em setores estratégicos

Por que a Vigor decidiu fazer um rebranding após 100 anos de história?

Mais na Exame