STF mantém CPI da covid-19

Por dez votos a um, Supremo Tribunal Federal manteve decisão de Barroso

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou, nesta quarta-feira,14, a decisão liminar tomada pelo ministro Luís Roberto Barroso de determinar ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. O colegiado investigará a atuação e eventuais omissões do governo no enfrentamento à pandemia.

Barroso argumentou que todos os requisitos constitucionais foram respeitados na apresentação do requerimento: assinatura de pelo menos um terço dos senadores, para apuração de fato determinado e por prazo certo. Cabe ao Supremo, portanto, garantir o cumprimento da Constituição. "Atendidas exigências constitucionais, impõe-se a instalação da comissão parlamentar de inquérito”, afirmou.

“Nada há de criativo, original ou inusitado na decisão liminar que tomei à luz da doutrina vigente no Brasil”, disse Barroso. Ele lembrou que a Constituição assegura às minorias parlamentares o direito de participar da fiscalização e do controle dos atos do Poder Público. “Tanto que o quórum para instalação de uma CPI é de um terço, não se exige maioria e muito menos submissão ao plenário”, disse.

A decisão foi concedida em resposta a um mandado de segurança apresentado pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO) em fevereiro. Eles alegaram que o requerimento para criação da CPI, de autoria de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), cumpria todos os requisitos formais, mas, ainda assim, não havia sido encaminhado pela presidência da Casa.

Pacheco leu nesta terça-feira, 13, o requerimento de abertura da comissão, em respeito à determinação de Barroso. A pedido de senadores, o colegiado também investigará o uso de recursos repassados pelo governo federal a estados e municípios.

Segundo Barroso, cabe ao Senado decidir se a CPI funcionará por videoconferência, de forma presencial ou semipresencial. “O procedimento a ser seguido pela CPI deverá ser definido pelo próprio Senado, diante das regras que vem adotando para o funcionamento dos trabalhos na pandemia”, disse o ministro.

A liminar de Barroso seria analisada na próxima sexta-feira, 16, em plenário virtual. Mas, diante da "urgência e relevância da matéria", os ministros decidiram antecipar a discussão para esta quarta.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.