Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Relator do TSE rejeita preliminar de cerceamento de defesa

Para Herman, não existiu qualquer vício de "parcialidade ou atropelo procedimental" no uso da delação da Odebrecht durante o processo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Herman Benjamin: o expediente foi questionado pelo presidente do TSE, Gilmar Mendes (Ueslei Marcelino/Reuters)

Herman Benjamin: o expediente foi questionado pelo presidente do TSE, Gilmar Mendes (Ueslei Marcelino/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 7 de junho de 2017 às, 11h46.

Brasília - Depois de breve discussão no plenário, o ministro Herman Benjamin, relator da ação que pode cassar a chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral, voltou a ler seu voto. Após uma longa explicação, ele negou a procedência da preliminar que afirma que houve cerceamento ao direito de defesa.

Ele voltou a afirmar que a determinação de coleta de provas ex-officio é providência própria do regime jurídico. Para ele, não existiu qualquer vício de "parcialidade ou atropelo procedimental" no uso da delação da Odebrecht e do casal João Santana e Mônica Moura durante o processo.

O expediente foi questionado pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, que provocou o relator dizendo que ele deveria manter a ação aberta e incluir a nova delação dos empresários da JBS, e até mesmo a eventual do ex-ministro Antonio Palocci.

Herman, no entanto, defendeu que "vários executivos foram ouvidos a pedidos das partes" e que, "em busca da verdade, provas também foram determinadas pelo juiz". "É despropositada a tentativa de imputar a este relator a condição de acusador. No máximo, de gerente de fatos, mas acusador, não", disse.

Segundo ele, logo após ouvir Marcelo Odebrecht, a defesa de Dilma pediu que dois delatores da empreiteira fossem ouvidos. "Deixo meu questionamento: o que fazer com essas duas testemunhas pedidas por Dilma?", disse.

O relator também afirmou que é "dever do juiz indeferir diligência e atos probatórios que tenham caráter meramente protelatório". Ele disse que o amplo direito de defesa foi seguido, mas não pode ir ao "infinito", e destacou que as partes participaram ativamente de toda a instrução da "fase Odebrecht" e que só o advogado de Dilma fez 376 perguntas às testemunhas e a defesa de Temer, 269 questionamentos.

Segundo Herman, ele seguiu três critérios para a coleta de provas durante o processo: a observação do princípio do contraditório e da ampla defesa, a pertinência da prova com o objeto do feito e a contribuição efetiva da medida para esclarecimento dos fatos.

Últimas Notícias

Ver mais
Governo do estado e prefeitura de SP anunciam novas ações para revitalização da região central

Brasil

Governo do estado e prefeitura de SP anunciam novas ações para revitalização da região central

Há 11 horas

Tarcísio sanciona lei que viabiliza privatização da Sabesp

Brasil

Tarcísio sanciona lei que viabiliza privatização da Sabesp

Há 12 horas

Reforma tributária: relator na Câmara quer diminuir a carga e rever exceções aprovadas no Senado

Brasil

Reforma tributária: relator na Câmara quer diminuir a carga e rever exceções aprovadas no Senado

Há 12 horas

Crise entre Venezuela e Guiana: Brasil não será instrumento de incidente diplomático, diz Defesa

Brasil

Crise entre Venezuela e Guiana: Brasil não será instrumento de incidente diplomático, diz Defesa

Há 14 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais