Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Preocupações com possível demissão de presidente do BB aumentam

Palácio do Planalto estaria insatisfeito com o programa de demissão voluntária do banco; André Brandão assumiu o cargo em agosto

Começou a ganhar força em Brasília a suposição que o presidente do Banco do Brasil, André Brandão, possa ser demitido. Brandão ocupa o cargo desde agosto de 2020, quando foi chamado para subsituir Rubem Novaes. Antes disso, o executivo exerceu a função de líder para as Américas do HSBC.

O Palácio do Planalto estaria insatisfeito com a repercussão do programa de demissão voluntária do banco, anunciado no início desta semana, que prevê o desligamento de cerca de 5.000 funcionários. Segundo o Banco do Brasil, as demissões devem gerar uma uma redução de custo da ordem de 10 bilhões de reais até 2025 e fazem parte de um conjunto de medidas que visam o enxugamento de despesas.

Até a noite desta quarta-feira, dia 13, o governo não havia se manifestado sobre o possível afastamento de Brandão. A situação vem gerando certo desconforto no mercado, por conta dos rumores que tem gerado. A falta de uma clareza maior nesse momento em relação à permanência de Brandão no cargo teria o potencial de desencadear um ruído indesejável em meio a um cenário de incertezas na saúde pública e na economia.

De qualquer modo, a possibilidade de afastamento de um integrante da pasta econômica está longe de ser algo inédito. O secretário especial de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e o de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, pediram demissão em agosto. “Houve uma debandada”, disse o ministro Paulo Guedes na ocasião.

Em julho, já haviam deixado o governo o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, e o diretor de programas da Secretaria Especial de Fazenda, Caio Megale. Um pouco antes, em maio, o então secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, assumiu a presidência do Novo Banco de Desenvolvimento, o banco dos Brics, sendo substituído pelo economista Roberto Fendt. Agora, o mercado aguarda o desenrolar dos fatos em relação à presidência do Banco do Brasil.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também