Osmar Terra será ministro da Cidadania e Ação Social de Bolsonaro

Ministro será responsável por programas como Bolsa Família e pelas secretarias do atual Ministério do Trabalho, Direitos Humanos e a Secretaria das Mulheres

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) foi confirmado nesta quarta-feira (28) pela assessoria do governo de transição de Jair Bolsonaro para ocupar a pasta da Cidadania e Ação Social.

O ministério será responsável por programas como Bolsa Família e pelas secretarias do atual Ministério do Desenvolvimento Social e do Trabalho.

Ainda não está definido se ela vai incorporar Direitos Humanos e a Secretaria das Mulheres ou se elas terão uma pasta própria.

Em 2016, Terra assumiu o Ministério do Desenvolvimento Social de Michel Temer e deixou o cargo em abril para concorrer à reeleição na Câmara. Ele estava na Câmara dos Deputados desde 2001.

O nome dele é uma indicação da bancada social, que reúne parlamentares dessa área no Congresso Nacional.

Nascido em Porto Alegre, Terra é médico com mestrado em Neurociência e filiado do MDB desde 1986.

Entre 1993 e 1996, foi prefeito de Santa Rosa. Depois, atuou como secretário de Saúde do Rio Grande do Sul.

Projetos

O futuro ministro é autor de uma série de projetos na Câmara dos Deputados envolvendo mobilidade urbana, como inclusão no Código de Trânsito Brasileiro de medidas de proteção do pedestre e do ciclista, além de uma proposta para instituir o Dia Nacional do Ciclista.

Terra também é autor de um projeto para aprovar a possibilidade de as famílias ou responsáveis legais de usuários de drogas requererem, mesmo sem o consentimento do dependente, a internação em instituição de saúde para tratamento e desintoxicação. Para que haja a internação à revelia, contudo, será necessário o aval de um médico.

Equipe

A formação do primeiro escalão do presidente eleito está quase completa, ainda que não se saiba ainda qual será a estrutura final.

Após falar em reduzir as 29 pastas atuais para 15, o presidente eleito disse hoje que o número pode ficar em 22.

São esperadas mais duas indicações, no mínimo: Meio Ambiente e Minas e Energia. A promessa é fechar a lista na semana que vem.

Hoje foram anunciados, além de Osmar, o deputado Marcelo Álvaro Antonio para o Turismo e o servidor Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto para o Ministério do Desenvolvimento Regional.

Paulo Guedes está definido para o “superministério” da Economia que reunirá Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior e Serviços e o juiz federal Sérgio Moro vai comandar outro “superministério”, o da Justiça e da Segurança Pública.

São quatro ministros militares anunciados até agora. O engenheiro Tarcísio Gomes de Freitas vai comandar o Ministério da Infraestrutura, que reunirá Transportes, Portos, Aeroportos e Aviação Civil.

O General Augusto Heleno vai para o Gabinete de Segurança Institucional, o General Azevedo e Silva para a Defesa e o General de Divisão Carlos Alberto dos Santos Cruz será ministro da Secretaria de Governo.

Gustavo Bebianno será o ministro da Secretaria-Geral e o o tenente-coronel Marcos Pontes vai para o Ministério da Ciência e Tecnologia.

Foram confirmados também três nomes do Democratas: o deputado Onyx Lorenzoni chefia a transição e vai para a Casa Civil, Tereza Cristina, presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), vai para o Ministério da Agricultura, e o deputado Luiz Henrique Mandetta vai para a Saúde.

O filósofo Olavo de Carvalho indicou dois nomes: Ernesto Araújo para o ministério das Relações Exteriores e Ricardo Vélez Rodríguez para o Ministério da Educação.

André Luiz de Almeida Mendonça será mantido na Advocacia Geral da União e Roberto Campos Netto será indicado para o Banco Central, que manterá status de ministério enquanto não tiver sua independência formalizada, segundo informações da equipe.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.