Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Os recados ao governo na derrubada dos decretos sobre o marco do saneamento

Após derrota, parlamentares veem necessidade de fortalecimento da base governista e recado de Lira sobre sua influência na Câmara

Modo escuro

Continua após a publicidade
Lira e Lula: Planalto terá de articular com Congresso para evitar que arcabouço seja desfigurado (Sergio Lima/AFP/Getty Images)

Lira e Lula: Planalto terá de articular com Congresso para evitar que arcabouço seja desfigurado (Sergio Lima/AFP/Getty Images)

Desde o início do terceiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como presidente da República a pergunta ronda os corredores de Brasília: quem forma a sua base política no Congresso?

Em outras palavras, uma base sólida garantiria ao petista alguma facilidade para aprovar temas caros ao governo. Uma forma de se medir o apoio é justamente diante de temas polêmicos como o projeto de decreto legislativo (PDL) que derrubou, nesta quarta-feira, 3, trechos de dois decretos editados por Lula que flexibilizaram a regras para contratos previstas no Novo Marco do Saneamento -- aprovado na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

A votação no PDL foi substancial: 295 votos favoráveis e 136 contrários, e sinalizou em boa medida o tamanho do apoio que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tem na Casa.

Liberação de emendas

Tanto parlamentares da base quanto da oposição avaliam que a derrota na votação do PDL deixou recados claros ao governo.

Na avaliação do deputado Rogério Correia (PT-MG), o governo precisará ampliar o diálogo para aumentar sua base. Um dos pontos levantados por ele é a insatisfação quanto à demora na liberação de emendas parlamentares e na distribuição de cargos pelo governo.

“Há muita insatisfação sobre emendas que não foram liberadas, de compromissos de cargos que não foram feitos”, disse à EXAME.

O parlamentar também avalia que houve um recado de Lira a Lula. “Não havia necessidade de ter votado isso ontem, o governo está negociando aquele decreto do saneamento. O Lira sabe disso, mas resolveu colocar", afirmou Correia. "Acho que era uma exigência da turma para dar o recado [para liberar as emendas]. Nós vamos continuar negociando porque ainda vai para o Senado.”

Na avaliação de Correia, a liberação das emendas, já sinalizada pelo governo, pode facilitar o apoio ao governo, mas será preciso que o Executivo fortaleça o diálogo com o parlamento. No total, há R$ 9,85 bilhões do orçamento destinado para emendas -- e controlados pelo governo -- que estão parados. Até o momento, no entanto, a administração de Lula não liberou nada desse valor aos parlamentares.

Um deputado do PSD, partido que atualmente comanda três ministérios, falava ao telefone no plenário da Câmara que, com a derrubada de trechos dos decretos do saneamento, “o governo vai precisar entender que precisa ampliar a base”.

O deputado Glauber Braga (Psol-SP), aliado de primeira hora do governo, ressaltou que o PSB, partido do vice de Lula, Geraldo Alckmin, também votou a favor da derrubada do decreto.

“Teve recados evidentemente. Você tem uma posição política aqui neste plenário que nas articulações pende sempre do Centrão para a direita. Mas teve recado também no caso do PSB, que votou a favor. É um absurdo um partido como o PSB votar a favor da aceleração das privatizações e contra as estatais”, disse à EXAME.

Na terça-feira, 2, Lira e Lula tiveram um encontro no Palácio do Planalto, no qual acordaram o início da liberação das emendas parlamentares -recurso que os senadores e deputados podem indicar para, por exemplo, obras em suas bases eleitorais. Como citado no começo da reportagem, a expectativa de governistas é que a partir de agora o governo consiga mais apoio para suas pautas. Na votação de ontem apenas 136 parlamentares apoiaram o governo na tentativa de que o PDL não fosse aprovado.

O recado de Lira a Lula

Uma parlamentar petista, sob a condição de anonimato, avalia que houve um recado de Lira ao governo para demonstrar sua influência.

“Primeiro, ele [Lira] disse que o governo não tem dificuldade de ter uma maioria parlamentar. Na minha opinião ele usou o dia de ontem para mostrar o seu próprio poder para o governo. Não tinha por que votar ontem, e entrou na pauta de última hora”, afirmou.

Ainda de acordo com ela, Lira ainda tem forte influência para construir acordos e “grande capacidade de articulação aqui na Casa”, o que poderá viabilizar vitórias do governo no futuro em temas importantes.

Outro deputado, também sob a condição de anonimato, corrobora essa tese e relatou que circulou a informação de que Lira pôs a matéria em votação como "retaliação de uma indicação que ele fez para o TRF1", cujo nome não prevaleceu. "O que circulou aqui foi isso”, disse à EXAME.

A "retaliação", na avaliação dele, reforça o seu recado sobre a extensão de seu poder de influência na Câmara ao governo, pois o projeto “não estava na pauta”.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Salário mínimo 2024: qual o valor previsto e quando começa a valer?

Brasil

Salário mínimo 2024: qual o valor previsto e quando começa a valer?

Há 4 horas

Metrô de SP pede indenização milionária a sindicato por causa de greve

Brasil

Metrô de SP pede indenização milionária a sindicato por causa de greve

Há 4 horas

Achou novembro quente? Dezembro tem previsão de temporais e calor pode surpreender

Brasil

Achou novembro quente? Dezembro tem previsão de temporais e calor pode surpreender

Há 6 horas

Governo federal reconhecerá situação de emergência em Maceió, diz Ministério da Integração

Brasil

Governo federal reconhecerá situação de emergência em Maceió, diz Ministério da Integração

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais