New York Times diz que disparada da covid é "fracasso" para o Brasil

Jornal americano lembra que Bolsonaro chamou a pandemia de "gripezinha", além de encorajar muitas vezes aglomerações, promovendo uma "falsa sensação de segurança" entre seus os apoiadores

Após mais de um ano do início da pandemia, o Brasil passa pelo seu pior momento, com recorde no número de mortes de covid por dia e sobrecarga nos hospitais. Na última quarta-feira, ultrapassou a marca de 300 mil mortes, com cerca de 125 brasileiros sucumbindo a cada hora. Nesse cenário, de descontrole do avanço do vírus, um dos jornais mais influentes do mundo, o New York Times, destaca a situação do país em reportagem deste sábado.

O jornal americano aponta que "o país, cujo líder, o presidente Jair Bolsonaro, minimizou a ameaça do vírus, agora está relatando mais novos casos e mortes por dia do que qualquer outro país do mundo". "As mortes no Brasil estão no auge e variantes altamente contagiosas do coronavírus estão varrendo o país, possibilitadas por disfunções políticas, complacência generalizada e teorias da conspiração", descreve.

Segundo a publicação, o colapso é um "fracasso total" para o país que, nas últimas décadas, foi modelo para outras nações em desenvolvimento, com uma reputação de desenvolver soluções ágeis e criativas para crises de saúde, incluindo o aumento de infecções por HIV e o surto de zika vírus.

O veículo de comunicação faz críticas a postura de Bolsonaro, lembrando que o presidente chamou a pandemia de "gripezinha" e muitas vezes encorajou grandes multidões, criando uma "falsa sensação de segurança" entre seus os apoiadores. Ao mesmo tempo, diz, endossou "medicamentos ineficazes e potencialmente perigosos para tratar a doença", contradizendo as orientações das principais autoridades de saúde.

O NY Times aponta ainda para o perigo do uso de medicamentos sem comprovação científica que têm sido usados por alguns paciente no Brasil como tratamento preventivo para a doença. Ele cita o chamado "kit Covid", que inclui ivermectina e azitromicina, defendido por Bolsonaro como estratégia ao combate ao coronavírus. No entanto, alerta o jornal, "os principais especialistas médicos do Brasil, dos Estados Unidos e da Europa disseram que esses medicamentos não são eficazes para tratar a covid-19 e alguns podem ter efeitos colaterais graves, incluindo insuficiência renal".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.