Manifestações atraem visão positiva nas redes e isolam Bolsonaro

Protestos de rua neste sábado dominaram as conversas nas redes sociais e disseminaram visão negativa sobre o presidente Jair Bolsonaro, mostra análise. Mas desafio da oposição é se manter no protagonismo

Na disputa pelas redes sociais em meio aos protestos do último sábado, 29, a oposição ao presidente Jair Bolsonaro saiu vitoriosa. Os atos foram tema de mais da metade dos posts ao longo do fim de semana e com visão majoritariamente positiva às manifestações, segundo análise quantitativa da consultoria de dados digitais .MAP.

A .MAP analisou 2,7 milhões de posts no sábado e nos dias seguintes, no domingo e até às 8h desta segunda-feira, 31 — com posts no Twitter e nas principais páginas abertas do Facebook.

  • O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

O assunto das manifestações esteve em 51% dos posts no período. Na análise qualitativa, a .MAP classificou 88% das menções ao tema como positivas às manifestações. Grupos que criticaram ou os atos diretamente ou os protestos como fato gerador de aglomeração foram minoria, aponta a análise.

A manifestação do presidente Jair Bolsonaro com motociclistas no Rio de Janeiro, no domingo anterior, em 23 de maio, havia sido tema de somente 31% dos posts na mesma janela de tempo.

Neste fim de semana, o presidente também apareceu como principal alvo de críticas nas redes. "Bolsonaro foi atacado tanto nas postagens sobre manifestações quanto fora delas, em temas como vacinação", diz Marilia Stabile, diretora-geral da .MAP.

"O exército de Bolsonaro em termos de redes sociais perdeu a disputa neste final de semana."

Enquanto isso, os posts com apoio a Bolsonaro em temas diversos somaram somente 14% do total.

A metodologia da .MAP também divide a análise em três subtemas: política, economia e bem-estar. Neste fim de semana, a política como um todo (ainda que não incluindo diretamente as manifestações) esteve em 64% do total de postagens. O normal é que política esteja abaixo de 50%, disputando com temas como diversidade, cultura, entre outros. "Foi um dos recordes de menções sobre política", diz Stabile.

A esquerda veio para ficar?

Dos perfis responsáveis pelo caminhão de postagens sobre as manifestações e política no geral neste fim de semana, parte significativa é classificada como de perfis ligados à esquerda, com pouco mais de 44% do total.

Dentro desse grupo, os políticos e partidos foram 18% do total, os influenciadores, quase 19%, e o público geral de esquerda representou 6% da participação.

Os atos também fisgaram uma parcela com posicionamento não necessariamente de esquerda, embora em menor grau. Cerca de 21% dos posts sobre a manifestação vieram de usuários comuns (não influenciadores ou partidos), que a análise classifica como "opinião pública".

Essa categoria não demonstra posicionamento político explícito entre esquerda e direita em seus perfis, embora tenha falado sobre a manifestação e mantenha certo viés crítico sobre Bolsonaro. "Esse grupo mais apartidário apoiou a manifestação porque era um ato crítico ao governo. Mas eles têm pautas próprias, demanda por saúde e principalmente vacina", diz Stabile.

A diretora da .MAP aponta que a esquerda ainda está atrás da direita nas redes, mantendo um cenário que começou a ser construído nos últimos anos. "Ontem, isso se inverteu, e a direita teve uma participação menor. A pergunta é se daqui para a frente essa força vai continuar", diz.

Como a EXAME mostrou, a esquerda e a oposição ao presidente Jair Bolsonaro também têm ganhado força nas redes com os debates sobre a CPI da covid-19 e teve picos após a decisão do Supremo Tribunal Federal que tornou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Desde então, Lula se consolidou como o principal adversário de Bolsonaro em 2022: na última pesquisa EXAME/IDEIA, o ex-presidente aparece vencendo Bolsonaro no primeiro turno e com 45% a 37% dos votos no segundo turno.

Um desafio da oposição é manter a energia da base nas redes sociais de forma constante, o que ainda não tem acontecido. "A esquerda têm aparecido quando há eventos, soltura do Lula, STF, CPI. Passou o burburinho, ela some. Já a direita é mais constante, mesmo nesses momentos de manifestação, ela tenta aparecer. A militância da direita nas redes é perene", diz Stabile.


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as terças-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também