A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Governo de SP começa vacinação em 18/01 se Anvisa aprovar Coronavac

A Anvisa decide amanhã sobre os pedidos de uso emergencial das vacinas Coronavac e da fabricada pela Fiocruz em parceria com a Universidade de Oxford e a AstraZeneca

O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse hoje que a vacinação contra a infecção covid-19 pode começar na segunda-feira (18) se a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar amanhã o uso emergencial da Coronavac. A declaração foi dada à rádio CBN.

A reunião da Anvisa para analisar os pedidos de uso emergencial da Coronavac – fabricada pelo Instituto Butantan em uma parceria com a chinesa Sinovac – e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca deve começar às 10h e está prevista para acabar às 15h de domingo, segundo o secretário.

As duas fabricantes já entregaram à Anvisa toda a documentação solicitada. Neste sábado, 44,86% dos documentos relativos à Coronavac já haviam sido analisados e 55,14% estavam sendo checados. Da vacina de Oxford/AstraZeneca, as porcentagens eram, respectivamente, 49,45% e 50,55%.

A primeira fase da campanha terá como foco profissionais de saúde, idosos, indígenas e quilombolas.

Disputa nacional

O governador de São Paulo, João Doria, foi o primeiro a viabilizar a produção de uma vacina anti-coronavírus no Brasil e anunciar o início da campanha. O governo Jair Bolsonaro não aceitou a oferta da farmacêutica americana Pfizer, feita em agosto, de disponibilizar 70 milhões de doses da sua vacina em dezembro.

Para evitar que Doria, agora seu desafeto, tenha uma vantagem política com a vacinação, Bolsonaro tentou comprar mais doses da vacina de Oxford/AstraZeneca da Índia, um dos países onde é fabricada, para começar a campanha federal em 20 de janeiro – cinco dias antes da data inicialmente marcada pela administração paulista. Mas o governo indiano negou. Bolsonaro então pediu que o Butantan lhe entregue o estoque de 6 milhões de doses já fabricadas. O Butantan respondeu que pode mandar todas para o governo federal, exceto as destinadas à população paulista.

"Se estiver tudo OK, na segunda-feira teremos o nosso programa realmente implementado. É importante lembrar que o fato de São Paulo iniciar eventualmente antes a vacinação não quer dizer uma desobediência do programa nacional de imunização. Muito pelo contrário, eu pessoalmente estive no Ministério [da Saúde] pra gente inserir a vacina no programa nacional de imunização", disse Gorinchteyn à CBN. Segundo o secretário, São Paulo não descarta ir à Justiça caso o governo federal insista em ficar com as doses prontas do Butantan.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também