Acompanhe:

Energia solar supera eólica e vira 2ª maior fonte do país; veja desafios para 2023

Nesta sexta-feira, 6, termina o prazo para consumidores pedirem instalação de placas solares de geração de energia com isenção da taxa de distribuição

Modo escuro

Continua após a publicidade
Energia solar: Brasil atinge marca histórica de energia solar (Aaron Foster/Getty Images)

Energia solar: Brasil atinge marca histórica de energia solar (Aaron Foster/Getty Images)

G
Gilson Garrett Jr

Publicado em 6 de janeiro de 2023 às, 06h00.

Termina nesta sexta-feira, 6, o prazo para consumidores pedirem instalação de placas solares de geração de energia com isenção da taxa de distribuição até o ano 2045. O fim do benefício fiscal está previsto no Marco Legal da Geração Distribuída (lei 14.300). Aprovado ano passado no Congresso Nacional, é considerado um dos entraves ao avanço ainda maior da fonte limpa -- que superou, nesta semana, a eólica e se tornou a segunda matriz elétrica do país.

De acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil tem uma potência instalada de 205 gigawatts. A matriz hídrica segue como a principal fonte de energia, com 109 gigawatts, representando 51% do total. A fonte solar fotovoltaica atingiu a marca de 23,9 gigawatts de potência operacional instalada, seguida da eólica, com 23,8 gigawatts.

Rodrigo Sauaia, presidente da ABSOLAR, destaca que desde 2012 o setor de energia solar trouxe mais de R$ 120,8 bilhões em investimentos ao Brasil, gerando 705 mil empregos. A expectativa é de que neste ano o número chegue a 1 milhão de postos de trabalho.

"A nossa projeção é de que até o final deste ano haja um acréscimo de 10,1 gigawatts ao sistema. Nesse conjunto, percebemos uma participação maior das grandes usinas que podem representar 36,5% do total de potência instalada. Mas elas não lideram. O pequeno porte -- de casas, empresas, hospitais, escolas -- continua na dianteira e deve representar 5,5 gigawatts do total que será adicionado", explica.

LEIA TAMBÉM: Ranking 2022: SP é a melhor cidade para fazer negócios no comércio

Desafios para 2023

Na avaliação de Sauaia, a lei 14.300, que regulou a microgeração de energia, é positiva mas segue o desafio de implementar diversos dispositivos da norma, como a distribuição de créditos com energia gerada de forma excedente, ainda não regulamentadas pela Aneel.

"As distribuidoras já deveriam ter implementado outras regulamentações [adequar procedimentos] e também não fizeram isso. Há itens que não dependem de regulamentação e não estão sendo cumpridos pelas distribuidoras [faturamento idêntico às unidades conectadas em baixa tensão]. A Aneel deveria fiscalizar e isso não está acontecendo", diz.

Ainda segundo o presidente da presidente da ABSOLAR, o setor enfrenta um gargalo na distribuição e transmissão da energia. "Há mais capacidade de gerar energia do que de levá-la até o consumidor. É preciso melhorar e ampliar as linhas", diz.

LEIA TAMBÉM: Ranking: As melhores cidades para fazer negócios de 2022

Oportunidades para energia solar

Para Sauaia, há espaço para baratear a geração de energia solar. Ele explica que o Ministério de Minas e Energia (MME) ainda não viabilizou a criação de debêntures incentivadas que ajudam a criar crédito para microgeradores de energia. O recurso poderia diminuir o valor da geração de energia solar e ajudar a superar as projeções de crescimento da entidade.

Para quem se interessa em ter um painel solar em casa, a boa notícia é que todas as regiões do país reúnem condições propícias para a geração desta matriz energética. "Até em lugares mais nublados é possível, porque essa geração leva em consideração não só a energia que é produzida em um dia, mas no ano todo", explica.

No caso das grandes usinas, o Nordeste é a região ideal para a geração de energia. "Temos projetos novos também no Sudeste, Norte e Centro-Oeste. No Sul o recurso solar é menor e isso faz diferença para geradoras maiores porque precisam de um grande volume de energia e qualquer número faz diferença", diz.

'Taxação do sol'

Em 2012, a Aneel editou uma resolução para incentivar a instalação individual de painéis fotovoltaicos reduzindo os custos ao consumidor. Com a regra, os usuários passaram a utilizar a rede de uma concessionárias de distribuição para transmitir e armazenar a energia excedente gerada, sem a necessidade de pagar por isso. Além disso, recebiam um dinheiro referente à energia gerada individualmente para outros consumidores da rede.

A lei 14.300 estabeleceu um prazo para o fim da isenção -- 6 de janeiro --, considerando que apenas parte do valor excedente de energia gerado voltaria ao consumidor. Quem fizer uma instalação de um painel solar em casa a partir de 7 de janeiro, por exemplo, pagará a chamada 'taxação do sol'. O valor subirá de forma gradativa, começando em 15%, neste ano, e terminando em 90%, em 2028.

Há no Senado um projeto de lei que aumentaria em seis meses o prazo final de instalação das placas solares sem o pagamento da taxação do sol. O texto ainda pode ser analisado em fevereiro, quando o recesso parlamentar termina.

LEIA TAMBÉM

Últimas Notícias

Ver mais
Brasil emplaca o terceiro lugar em instalação de parques eólicos
ESG

Brasil emplaca o terceiro lugar em instalação de parques eólicos

Há 23 horas

Chile lança PPPs para atrair investidores e expandir 5 projetos de lítio em 2 anos
ESG

Chile lança PPPs para atrair investidores e expandir 5 projetos de lítio em 2 anos

Há um dia

Vale (VALE3) antecipa em 2 anos meta de 100% de consumo de energia renovável no Brasil
seloMercados

Vale (VALE3) antecipa em 2 anos meta de 100% de consumo de energia renovável no Brasil

Há 2 dias

Uso de energia exigido pela IA acende alerta vermelho
Tecnologia

Uso de energia exigido pela IA acende alerta vermelho

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais