Eike não delata?; a briga do PT…

Sem delação

Apesar dos rumores após a entrevista do empresário Eike Batista à TV Globo, na qual dizia que voltava ao Brasil para “passar a limpo” a história por trás de sua prisão, seu advogado, Fernando Martins, ainda nega que será firmado um acordo de delação premiada. “Não há essa possibilidade”, disse Martins a jornalistas nesta terça-feira. Às 15 horas, o empresário iniciou um depoimento na sede da Polícia Federal no Rio para esclarecer as declarações de dois doleiros à Operação Lava-Jato que o acusam de pagar 16,5 milhões de dólares em propina a Sérgio Cabral. Eike é o principal alvo da Operação Eficiência, que investiga a lavagem de 100 milhões de dólares no exterior, capitaneada pelo ex-governador do Rio.

Operação Vórtex

Em Pernambuco, a PF deflagrou nesta terça-feira um novo braço da Operação Turbulência, que investiga lavagem de dinheiro na empresa que detinha a posse do avião Cessna Citation, prefixo PR-FA, que caiu em 2014 com o ex-governador do estado e candidato à Presidência da República, Eduardo Campos. A Operação Vórtex apura a participação de uma terceira empresa, cujas contas bancárias foram movimentadas no momento da compra da aeronave. A Lidermac teria repassado recursos ao grupo que arrematou a aquisição, assim como contratos com o governo do estado e doações a campanhas de aliados de Campos. Um de seus sócios é Rodrigo Leicht Carneiro Leão, genro do ministro do TCU José Múcio. As atividades financeiras seriam parte de pagamentos de propina, que em todo o esquema movimentaram 600 milhões de reais entre 2010 e 2014.

Inquérito contra Aécio

Segundo o BuzzFeed, a Procuradoria-Geral da República vai abrir novo inquérito para investigar o senador Aécio Neves (PSDB) com base em novas revelações na delação da Odebrecht. A investigação foca valores desviados de obras da Cidade Administrativa, realizadas na gestão de Aécio no governo de Minas. Orçadas em 500 milhões de reais, as obras teriam alcançado um valor final na casa dos 2 bilhões de reais. Pelo contrato, o tucano teria recebido repasses da Odebrecht, da OAS e da Andrade Gutierrez.

Arquivados

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e o ex-presidente do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) Otacílio Cartaxo foram poupados de um dos inquéritos da Operação Zelotes. Instaurado em 2015, o inquérito investigava negociações ilícitas da empresa Cimento Penha com advogados do Carf para modificar decisões desfavoráveis ao Grupo. Foram indiciadas sete pessoas, entre elas Victor Sandri, amigo de Mantega e proprietário da Cimento Penha.

Fachin na Segunda Turma

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Edson Fachin deve protocolar nesta terça-feira um pedido para ser transferido para a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, onde correm processos da Operação Lava-Jato. Dessa forma, o ministro estaria habilitado a receber os inquéritos da Lava-Jato caso a presidente Cármen Lúcia sorteie o novo relator entre membros da Turma. Pelo perfil extremamente técnico, Fachin é um dos preferidos para assumir os julgamentos da operação.

A visita da discórdia

O deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) utilizou dinheiro público de sua cota parlamentar para pagar a visita que fez ao ex-deputado Eduardo Cunha em Curitiba. Cunha foi preso em outubro e a visita de Marun ocorreu em dezembro. O fato foi trazido à tona pelo jornal O Globo, que encontrou a passagem e uma hospedagem em Curitiba entre os reembolsos pedidos pelo Deputado. Marun era tido como o principal deputado da “tropa de choque” que Cunha mantinha quando ainda era presidente da Câmara. Ele disse que vai devolver 1.200 reais à Câmara.

Doria congela 2,6 bilhões da educação e saúde

A gestão do prefeito João Doria, de São Paulo, congelou recursos destinados a Saúde e Educação que chegam a 2,6 bilhões de reais. Na Secretaria da Educação, o total contingenciado é de 1,28 bilhão, mais que o dobro do ano passado, na gestão de Fernando Haddad (PT). Já na Saúde o congelamento é quatro vezes superior ao valor de 2016, chegando a 1,38 bilhão. Esse contingenciamento atinge principalmente o setor administrativo dessas secretarias. Outras pastas, como Cultura e Gestão Ambiental, também tiveram o orçamento reduzido. A gestão Doria disse que a medida foi necessária devido a erros cometidos pela administração anterior, de Fernando Haddad.

Marisa sofre trombose

A ex-primeira-dama do Brasil Marisa Letícia foi diagnosticada com trombose nas pernas, de acordo com um comunicado do Hospital Sírio Libanês, onde está internada desde a última terça-feira. A mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue na UTI, onde se recupera de um AVC por causa de um pico de pressão alta. A nota também diz que Marisa tem apresentado melhora no quadro, mas continua sedada.

A briga no PT

O PT não se entende sobre as votações para presidente da Câmara e do Senado. Enquanto uma ala do partido defende o apoio aos candidatos governistas — o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) —, outra alega que não se pode votar com o governo que aplicou o que o partido chama de golpe. O apoio aos candidatos é condicionado a uma troca por cargos segundo o peso político de cada partido nas Casas e é visto como um meio de não perder totalmente a relevância política. Em uma reunião na casa do senador Jorge Viana (AC), Gleisi Hoffman e Lindbergh Faria foram “enquadrados” por outros senadores do PT por estarem publicamente “inflando a militância” contra a postura de apoiar Maia e Oliveira. Na Câmara, o líder do PT, Carlos Zarattini (SP), disse que o partido não votará por posições políticas, mas pela direção do Parlamento. A posição do partido na Câmara, no entanto, não está fechada, já que ainda existem muitas negociações. Na última delas, um bloco de partidos (PT, PDT e PTB) apoiaria Jovair Arantes (PTB-GO), relator do impeachment de Dilma na casa.

Requião no Senado

Roberto Requião (PMDB-PR) pode se lançar candidato à presidência do Senado. Ele é do mesmo partido de Eunício Oliveira, que foi indicado pelo partido ao posto nesta terça-feira.

Cármen não executou penas

De acordo com o site O Antagonista, a ministra Cármen Lúcia não executou as penas dos executivos da Odebrecht, como estava previsto no acordo fechado com a Procuradoria-Geral da República. Assim, os delatores ficam em um limbo jurídico.

Thor tem empresas de 1 bi

O filho de Eike Batista, Thor Batista, tem participações em 25 empresas que somam um capital de 1 bilhão de reais. Em diversas delas é sócio do pai. Uma delas foi a utilizada por Eike para pagar propinas a Sérgio Cabral e João Santana.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.