A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Diretor da Prevent Senior passa a ser investigado pela CPI da Covid

Dossiê elaborado por ex-médicos da empresa aponta irregularidades, como a prescrição de medicamentos sem eficácia comprovada para covid-19

Por decisão do relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), o diretor-executivo da operadora de planos de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, passou da condição de testemunha para a de investigado pelo colegiado. Batista presta depoimento desde às 11h30 desta quarta-feira, 22.

“Mandarei para a Procuradoria de Justiça do Estado de São Paulo, porque esses fatos aconteceram lá e há um desejo do MP-SP de levantar essas circunstâncias”, disse Renan, em relação aos fatos investigados pela CPI, como a orientação obrigatória do “kit-covid” por médicos do plano de saúde.

A CPI teve acesso a um dossiê elaborado por ex-médicos da Prevent Senior, no qual eles apontam irregularidades, como a prescrição de medicamentos sem eficácia comprovada para covid-19. O protocolo teria sido acordado com o governo Bolsonaro, para testar a tese de que o kit covid funcionava para tratar pacientes com a doença.

Segundo os médicos,  os pacientes não foram informados sobre o tratamento experimental. Durante o depoimento, Batista afirmou que ex-funcionários da empresa invadiram uma planilha interna e adulteraram dados para elaborar o dossiê.

Benedito negou que a Prevent tenha desenvolvido qualquer protocolo junto ao Ministério da Saúde. Segundo ele, também não houve omissão de informações relativas a mortes de pacientes infectados com covid-19 e submetidos ao estudo com uso de medicamentos sem eficácia para a doença, como a hidroxicloroquina

“Ex-médicos da Prevent, desligados em junho de 2020, manipularam dados de uma planilha interna, que era uma planilha de acompanhamento de pacientes, para tentar comprometer a operadora”, disse o diretor-executivo da empresa.

Esses médicos, segundo ele, “invadiram o sistema, acessaram esta planilha e, mesmo não tendo mais nenhuma responsabilidade em cima desse processo, adulteraram a planilha”. Em seguida, no dia 28 de agosto, eles teriam encaminhado o arquivo para uma advogada, sem autorização dos familiares dos pacientes. 

“Esses dados precisaram ser manipulados para deturpar a real conduta de mais de 3 mil médicos e, desta maneira, após furtados e adulterados, pudessem ser usados para atacar uma empresa idônea”, afirmou Batista.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também